Da nova série do Blog: “… e a vida era um eterno carnaval!”

O Astréa brigava com o Cabo Branco , os dois querendo a todo custo realizar o melhor carnaval. O do Astréa era mais povão, o do Cabo Branco, mais chique. Talvez por isso eu preferisse o Astréa, pelo cheiro de povo e pela simpatia de Doutor Mororó, o eterno presidente, uma espécie de pai dos foliões mais afoitos que avançavam o sinal e eram repreendidos severamente pelo bom velhinho.

Eu cobria o carnaval do Astréa para o Jornal A União. Daí a farda que envergo na foto, ao lado do amigo Augusto Toscano, hoje sumido da mídia, mas na época um folião dos mais animados.

A festa do Astréa começava no sábado e só terminava na quarta-feira, com o povo frevando no meio da rua ao som da orquestra. Só parava na Lagoa, onde todos se dispersavam em busca do sono da triste quarta-feira de cinzas.

Foi no Astréa, num desses carnavais, que apareceu um menino fazendo acrobacias com o trombone. Mais tarde esse menino ficou conhecido como Ranegundes Feitosa.

1 Comentário On Da nova série do Blog: “… e a vida era um eterno carnaval!”

  • Me lembro bem, eu era sócio fundador ou seja entrava pelos fundos pulando o muro e apelando nunca cair nos pés de um segurança. Tempos bons que não voltam mais

Deixe uma resposta:

Seu endereço de e-mail não será mostrado.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Sliding Sidebar

Sobre Tião Lucena

Sobre Tião Lucena

Tião Lucena, nascido e criado no Sertão, é jornalista desde 1975, tendo começado em A União como repórter e trabalhado em O Norte, no Correio da Paraíba, no Jornal O Momento e no jornal de Agá.

Social Profiles

Mais comentadas