Da nova série “Os Campeões da Informação”: Maria José Limeira, ou simplesmente Maria

Ela se vestia com simplicidade, não usava maquiagem e quem a visse, jamais imaginaria que estava diante de uma escritora talentosa, poetisa destacada e jornalista de mão cheia.

Maria José Limeira gostava de ser simples. Tanto gostava que viveu a vida inteira numa casa modesta do Conjunto Costa e Silva.

Trabalhei sob suas ordens no Correio da Paraíba. Ela editora e eu repórter de política .

Era uma chefe que se impunha sem arrogância.

Aos seus pupilos, orientava como se fosse uma professora tratando com os alunos na sala de aula.

E tinha tudo para se sentir importante.

Escreveu livros. Incontáveis. “Aldeia virgem além”, “O lado escuro do espelho”, “Olho no vidro”, “Luva no grito”, “Contos da escuridão”, “Todos os seres” e “Crônicas do amanhecer”.

Em 64, foi presa pela repressão e se auto exilou no Rio e em São Paulo. Retornou à Paraíba em 1970, quando ingressou no jornalismo. Seu primeiro jornal foi O Momento, que ajudou a fundar com Jório Machado.

Morreu em 2012, numa segunda-feira, pelas 22 horas, no Hospital Memorial São Francisco, de insuficiência respiratória.

Deixe uma resposta:

Seu endereço de e-mail não será mostrado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Sliding Sidebar

Sobre Tião Lucena

Sobre Tião Lucena

Tião Lucena, nascido e criado no Sertão, é jornalista desde 1975, tendo começado em A União como repórter e trabalhado em O Norte, no Correio da Paraíba, no Jornal O Momento e no jornal de Agá.

Social Profiles