Depois de engavetar pedidos de Lucas Ribeiro que teriam evitado fechamento da ETER Ivonete usurpa projetos do vereador e propõe municipalização da escola

MARCOS MAIVADO MARINHO 

O anúncio do fechamento da Escola Técnica Redentorista, em Campina Grande, recebido com profunda tristeza por toda a população, acabou por colocar outra vez em posição vergonhosa a atual presidente da Câmara Municipal, Ivonete Ludgério (PSD), que agora posa de benfeitora depois de engavetar dois pedidos do vereador licenciado Lucas Ribeiro (PP) – um deles propondo realização de audiência pública para discutir a crise e procurar soluções – que poderiam ter evitado o trágico desfecho.

Lucas mantinha permanente contato com a direção da ETER e conhecia bem as dificuldades enfrentadas pela instituição e o esforço dos seus diretores para manter as aportas abertas e os dois requerimentos que apresentou este ano este ano referentes à escola, um deles propondo a realização de uma audiência pública para justamente discutir a situação do Redentorista e debater possíveis soluções e outro para uma sessão especial com o intuito de celebrar os 43 anos da instituição, não obtiveram prioridade na pauta da Mesa diretora da Casa.

Indiferente a tudo, Ivonete Ludgério não autorizou o agendamento da sessão e nem a realização da audiência pública, mas Lucas embora atualmente esteja de licença informou ontem que lamenta o fechamento e que vai propor ao prefeito Romero Rodrigues que sejam promovidos estudos em caráter de urgência quanto à possibilidade de o Município firmar parceria com a Congregação Redentorista Nordestina a fim de assumir a gestão da escola técnica.

“Apesar de a oferta de formação técnica ter aumentando, ainda existe uma demanda muito grande a ser suprida e, além disso, o Redentorista possui uma expertise e tradição que confirmam sua essencialidade e tornam o fechamento de suas portas uma perda irreparável para nossa cidade, região e estado”, comentou.

De acordo com Lucas, “além disso, existe uma estrutura, mão de obra, professores e uma capacidade de continuar contribuindo com a educação de qualidade que não pode desaparecer. Temos ciência das dificuldades para pôr em prática tal iniciativa, mas igualmente entendo que poderemos buscar apoios, inclusive da nossa bancada no Congresso, com a senadora eleita Daniella e o deputado federal Aguinaldo Ribeiro, para que essas portas não se fechem, porque são portas que se fecham para o futuro dos nossos jovens”, disse.

 PROPOSTA DE IVONETE

Atuando sobre o “leite derramado” e revelando mais uma vez o seu conhecido modo oportunista de agir, Ivonete Ludgério usurpou a idéia e os esforços de Lucas e declarou hoje que vai apresentar um projeto de lei solicitando a municipalização da Escola Técnica Redentorista.

Ela quer “uma espécie de convênio” entre a direção da Escola e a Prefeitura de Campina Grande, que em síntese é o que já propunha Lucas Ribeiro, e ainda por cima desprezando a ética que recomenda citar o autor da propositura, anunciou que vai solicitar uma audiência pública para discutir o assunto.

No ‘release’ que sua assessoria enviou para os veículos de comunicação Ivonete praticamente diz o que Lucas há meses pediu: que “tudo isso só é possível com adesão do Poder Executivo municipal. Acredito que esse é um caminho viável para evitar o fechamento daquela Escola”.

A vereadora informa por último que o projeto já está sendo elaborado e será apresentado na Câmara em regime de urgência. A matéria seráa direcionada ao prefeito Romero Rodrigues (PSDB) e ao presidente da Congregação Redentorista Nordestina, Pe. Geraldo Freire, e ao diretor da Escola Técnica Redentorista, Pe. Luiz Vieira Gomes.

2 Comentário On Depois de engavetar pedidos de Lucas Ribeiro que teriam evitado fechamento da ETER Ivonete usurpa projetos do vereador e propõe municipalização da escola

Deixe uma resposta:

Seu endereço de e-mail não será mostrado.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Sliding Sidebar

Sobre Tião Lucena

Sobre Tião Lucena

Tião Lucena, nascido e criado no Sertão, é jornalista desde 1975, tendo começado em A União como repórter e trabalhado em O Norte, no Correio da Paraíba, no Jornal O Momento e no jornal de Agá.

Social Profiles

Mais comentadas