Cunha, o Eduardo, está com aneurisma cerebral, conforme o próprio diagnosticou perante o juiz Sérgio Moro. Deveria ter apresentado algum exame, como é normal acontecer. Mas não custa nada o juiz ser prudente e mandar verificar a veracidade da informação. Não seria conveniente transformá-lo num mártir a essa altura do campeonato.

**

Efraim Filho mostrou força e foi escolhido líder do DEM na Câmara dos Deputados.

**

Professor sem título superior ensinava há dez anos na UFPB e, ao que parece, ensinava tão direitinho que ninguém desconfiou. Eu já tive um autodidata como professor, o grande José Gomes Sobrinho, que sabia francês e latim como ninguém e era considerado a mente mais brilhante de Princesa Isabel.

No jornalismo, citamos três grandes que não fizeram curso superior e escreveram ou escrevem melhor do que qualquer formado:Nathanael Alves, Gonzaga Rodrigues e Nonato Guedes.

**

Concordo com Walter Santos: A cúpula do PMDB quer puxar o tapete de Raimundo Lira na CCJ do Senado porque ele é ficha limpa e o que ela, a cúpula, menos quer na CCJ, é um ficha limpa.

**

Hoje é a estréia do desembargador Joás de Brito Pereira como presidente do pleno do TJ na sessão da semana. Joás foi empossado como presidente doTribunal de Justiça na semana passada.

**

Diego Amarante, aquele dos 100 votos, vai chefiar o Sine em João Pessoa, por indicação do senador Zé Maranhão.

**

Já faz mais de mês que a nova administração comanda os destinos da Prefeitura de Sousa e ninguém ainda identificou quem cagou no gabinete do prefeito. Só há suposição, como aquela do hoje chefe de trânsito da cidade, Zé Alan Abrantes,de que a bosta foi despejada pela oposição, por ser fina e, conforme ele, quem caga fino é quem está do outro lado do poder.

**

Senador Cássio Cunha Lima apresenta projeto obrigando o sinal de telefonia móvel em estradas.

**

O governador Ricardo Coutinho entrega, nesta quarta-feira (8), às 9h30, a barragem de nível de Tibiri, que vai beneficiar 114.478 habitantes da cidade de Santa Rita. Na obra, foram investidos pelo Governo do Estado, por meio da Companhia de Água e Esgotos da Paraíba (Cagepa), R$ 2,9 milhões.

A barragem de Tibiri faz parte do calendário de inaugurações do Governo do Estado programado para os meses de fevereiro e março. No total, serão entregue quase 30 obras, beneficiando moradores de diversos municípios paraibanos.

**

Ricardo Marcelo defende a candidatura de Zé Maranhão ao Governo do Estado em 2018.Marcelo ingressou recentemente no PMDB.

**

Odon Bezerra pode ser o novo Procurador Geral da Assembléia Legislativa.

**

Produtos com Noz da Índia e Chapéu de Napoleão estão proibidos pela Anvisa.

Eu não sei, nem quero saber quem são essas duas figuras.

**

Candidato derrotado à Prefeitura de Princesa, Sidney Filho, avisa que vai montar escritório na cidade para vigiar a administração do prefeito Ricardo Pereira.

**

Estão querendo, também, puxar o tapete de João Henrique na Assembléia?

**

Trocolli quer a Presidência do Pros PB na Paraíba. Se não derem, melhor sair. Deputado tem que ter força.

**

Proibiram o desfile dos Sujões no carnaval de Salvador. Como se isso fosse evitar que os foliões continuem cagando e mijando nas esquinas da Bahia.

**

O ministro Gilmar Mendes quer que o Supremo dê um basta nas prisões preventivas bastante alongadas dos envolvidos na Lava-Jato. Deveria se preocupar também com os sem Lava-Jatos trancados feito ratos por anos a fio sem condenações ou decretações de preventivas.

**

E o TSE manteve a inelegibilidade de Agnelo Queiroz, ex-governador do Distrito Federal, por oito anos.

**

Mais tarde eu volto.

 




Comentários realizados

  • 08/02/2017 às 10:08

    Angela Lima

    O Caros Amigos publicou matéria da Carta Capital: Formação do governo Temer visava proteger organização criminosa, diz Janot 07 FEVEREIRO 2017. Para PGR, nomeações de Jucá, Sarney Filho e Fabiano Silveira tinham objetivo de criar "ampla base de apoio" para conter a Lava Jato Da Carta Capital A formação do governo de Michel Temer teve, ao menos em parte, o intuito de proteger a organização criminosa que vem sendo investigada na Operação Lava Jato. Essa é a conclusão do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, em petição apresentada na noite de segunda-feira 6 ao Supremo Tribunal Federal (STF). No documento, Janot pede a abertura de um inquérito criminal contra o ex-presidente José Sarney (PMDB), os senadores Romero Jucá (PMDB-RR) e Renan Calheiros (PMDB-AL) e o ex-diretor da Transpetro Sérgio Machado por possível crime de embaraço às investigações da Lava Jato. A base do pedido de Janot são as gravações feitas por Machado com os caciques do PMDB e que foram vazadas à imprensa em maio de 2016. Nos áudios, o grupo trata do impeachment de Dilma Rousseff, discute a "solução Michel" e Jucá afirma, em meio a um diálogo sobre a preocupação com as delações premiadas de executivos de empreiteiras, que a forma de "estancar a sangria" é "mudar o governo". No pedido entregue ao STF, Janot aborda tangencialmente o impeachment, mas afirma que indicados de Temer para o ministério tinham o intuito de aprovar "medidas de alteração do ordenamento jurídico em favor da organização criminosa". Na página 28 da petição, Janot afirma que Jucá "explicita em uma das suas conversas com Sérgio Machado que na solução via Michel Temer haveria espaço para uma ampla negociação prévia em torno do novo governo". Na conversa, Jucá afirma que a "solução Michel" pode ser negociada "antes de resolver" colocá-la em prática. Na sequência, Janot afirma que "pode-se inferir destes áudios que certamente fez parte dessa negociação" a nomeação de Jucá para o Ministério do Planejamento, além da nomeação do deputado Sarney Filho para o Ministério do Meio Ambiente e de Fabiano Silveira para o Ministério da Transparência, Fiscalização e Controle,que substituiu a Controladoria-Geral da União. Jucá também cita na lista "cargos já mencionados para o PSDB", mas não diz quais são. Antes, na petição, Janot cita diálogos de Romero Jucá com Sergio Machado nos quais o senador afirma que "caiu a ficha" do PSDB sobre a necessidade de embarcar no plano, e cita especificamente os senadores tucanos Aloysio Nunes Ferreira (SP), José Serra (SP) e Aécio Neves (MG). O intento dos nominados de Temer, afirma Janot, "é conseguir construir uma ampla base de apoio político para conseguir, pelo menos, aprovar três medidas de alteração do ordenamento jurídico em favor da organização criminosa". janot01.jpg janot02.jpg Essas medidas, diz Janot na petição, "seriam implementadas no bojo de um amplo acordo político — tratar-se-ia do propalado e temido ‘acordão‘ — que envolveria o próprio Supremo Tribunal Federal, como fica explícito em intervenções tanto do senador Renan Calheiros, como do senador Romero Jucá". Ainda de acordo com o PGR, o "acordão" tinha o objetivo de conter "os avanços da Operação Lava Jato em relação a políticos, especialmente do PMDB, do PSDB e do próprio PT, por meio de acordo com o Supremo Tribunal Federal e da aprovação de mudanças legislativas". Jucá foi ministro de Temer por apenas 11 dias. Deixou o cargo em 23 de maio de 2016 em meio ao escândalo provocado pelo vazamento justamente dos áudios que, agora, ensejam a ação criminal de Rodrigo Janot. Hoje ele é o líder do governo Michel Temer no senado. Fabiano Silveira durou mais tempo no cargo. Ficou até 30 de maio e caiu após a divulgação de áudios também feitos por Sérgio Machado. Na gravação, Silveira orientava investigados da Lava Jato sobre como proceder diante das investigações do Ministério Público enquanto tinha um cargo de conselheiro do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), órgão que fiscaliza o poder Judiciário. Sarney Filho ainda é ministro de Temer. A petição da PGR segue agora para o ministro Edson Fachin, que herdou a relatoria da Lava Jato após a morte de Teori Zavascki.

  • 08/02/2017 às 09:12

    Angela Lima

    1.O Eduardo Cunha foi ouvido pelo Juiz Sérgio Moro e afirmou que o Temer era o responsável por TODAS as indicações do PMDB para a Petrobrás. A mídia, com exceção da Folha e o Tijolaço, ignoraram completamente a informação. Preferem dar destaque à um suposto aneurisma. Coincidência ou é lavagem cerebral em massa? O áudio pode ser conferido no Tijolaço. Aliás, segundo o áudio, o Moro não inquiriu o Cunha sobre a sua afirmação e o MPF também não. O Gilmar Mendes, "advogando" à favor do Eduardo Cunha, possivelmente atendendo pedido do Temer, agora clama contra as prisões preventivas da Lava-Jato. Deve ser mais uma "mera coincidência". 3. Parece que quem fez uso político da morte da Mariza Letícia foi o FHC. Depois de estar com o Lula no Sírio Libanez, publicou um artigo no domingo pedindo confiança no Temer. Não foi à toa que o jornalista Josias Sousa escreveu aquela versão sobre o encontro entre Lula e Temer no hospital, segundo ele o Lula teria conversado com o Temer sobre política e de colocado à disposição dele. Quem esteve presente negou toda a estória.

  • 08/02/2017 às 08:04

    José Tarcízio Fernandes

    Tião Lucena: Aos três jornalistas citados que não concluíram curso superior de nenhuma espécie, eu me permitiria acrescentar Adalberto Barreto, dono de um estilo inigualável em tudo que escrevia.

    Resposta de Tião

    Bem pensado e dito, Tarcizio. E tem também Sitonio Pinto, Martinho Moreira Franco, Soares Madruga, João Bosco Gaspar,Weelington Fodinha e Celso Mariz.

Deixe seu Comentário

Seu endereço de e-mail é de preenchimento obrigatório, mas não se preocupe que não publicaremos. Seu comentário será moderado pelo administrador do site e só será divulgado após isso.*

Outras Notícias

Quer dizer que, além dos fatos já relatados e escandalizados sobre as obras da Lagoa do Parque Solon de Lucena, ainda existem outros desconhecidos da opinião pública?... Ler mais

 Um colega me contou que viu num grupo de zap zap um advogado revoltado com os veículos de comunicação que estavam divulgando a citação feita por Rodrigo Janot... Ler mais

O São João de Bananeiras foi sucesso de público e de animação. Durante quatro noites, a cidade viveu um verdadeiro burburinho. Lotou tudo, do hotel mais rico... Ler mais