A hecatombe provocada pelas gravações do empresário Joesley Batista, da JBS, que mostram Michel temer avalizando a compra do silêncio de Eduardo Cunha, uniu oposição e base aliada em um único diagnóstico: só resta ao peemedebista a renúncia ou cassação pelo TSE (Tribunal Superior Eleitoral).

Considerando os recordes de impopularidade de Temer entre os brasileiros, políticos e especialistas consideram praticamente inviável sua permanência no cargo.

O TSE, que julga a cassação da chapa pela qual ele se elegeu, será pressionada a restaurar a “institucionalidade” no país. Ato contínuo, a oposição vai fazer carga por eleições diretas.

As informações são da coluna Painel da Folha de S.Paulo.

"A expectativa no fim da noite desta quarta (17) era de que o TSE fosse convocado a antecipar o julgamento da ação contra a chapa Dilma-Temer, marcado para o dia 6 de junho.

No TSE, o clima era de apreensão. O presidente da corte, Gilmar Mendes, estava na Rússia, em missão oficial, quando as primeiras notícias sobre o caso saíram. Um ministro do tribunal disse que havia expectativa de que a delação da JBS fosse comprometedora, mas ninguém imaginava algo tão grave.

Apesar da pressão, a renúncia de Temer é considerada improvável, especialmente pela situação delicada em que o peemedebista pod

 




Comentários realizados

  • 18/05/2017 às 06:05

    josenildo

    Aos traidores do povo os rigores da lei.

Deixe seu Comentário

Seu endereço de e-mail é de preenchimento obrigatório, mas não se preocupe que não publicaremos. Seu comentário será moderado pelo administrador do site e só será divulgado após isso.*

Outras Notícias

 O meu tio Severino Cazuzão era tão avarento que meu pai costumava dizer que ele era mais amarrado do que orelha de freira, isso no tempo em que as freiras se vestiam da... Ler mais

 Maria Doida quer mudar de nome para se eleger deputada. Como Maria Doida já foi candidata a vereadora e aliada de Collor, sendo recebida festivamente por ele na sua posse, em... Ler mais