A deputada estadual Janaína Riva (PMDB) registrou um boletim de ocorrência contra o secretário de Comunicação de Mato Grosso, Kléber Lima, por ele ter divulgado uma foto em que ela aparece de camisola. A imagem foi compartilhada pelo secretário no domingo (14), depois que o Fantástico exibiu uma reportagem sobre grampos clandestinos no núcleo de inteligência da Polícia Militar do estado, que teve como uma das vítimas a parlamentar. Ao G1, Kléber Lima disse que vai aguardar ser notificado para se manifestar sobre o assunto.

A queixa foi registrada na Delegacia da Mulher de Cuiabá, nessa segunda-feira (15). Uma audiência entre as duas partes já foi marcada para o dia 2 de junho, conforme a assessoria da parlamentar.

Na imagem encaminhada em grupos de WhatsApp, o secretário faz o seguinte comentário: “Quem iria invadir a privacidade da ilustre deputada, se ela mesma a faz”. Kléber Lima também foi secretário de Comunicação e de Governo de Cuiabá.

Logo após a publicação começar a circular, a deputada postou em sua página numa rede social uma mensagem repudiando o ato. “[Estou] estarrecida com o machismo imposto. O secretário usa uma foto pessoal minha, para justificar os grampos ilegais feitos pelo governo do estado contra mim e outros envolvidos”, diz, na postagem.

O governador de Mato Grosso, Pedro Taques (PSDB), alega não ter conhecimento das interceptações clandestinas e que pediu à Secretaria Estadual de Segurança Pública (Sesp) que apure o caso.

Desagravo

Pelo mesmo fato, o presidente da Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT), Eduardo Botelho (PSB), assinou um ato de desagravo à postura do secretário e encaminhou o documento ao governador Pedro Taques (PSDB).

“É entendimento desta Casa de Leis que o secretário procedeu de modo indigno e incompatível com o cargo que ocupa quando divulgou através de mídias sociais, mais especificamente grupos de WhatsApp, post contendo foto íntima da deputada Janaína Riva”, diz trecho do ofício.

Além disso, o presidente da Assembleia Legislativa pede um pedido formal de desculpas do secretário à deputada.

Reunião no Judiciário
Deputados que fazem oposição ao atual governo, incluindo Janaína Riva, participaram de uma reunião com o presidente do Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT), Rui Ramos, para cobrar providências ao Judiciário sobre escutas telefônicas clandestinas.

“Uma das nossas preocupações é se essa investigação é um fato isolado ou se existem outras, como é a nossa suspeita. Estamos tendo dificuldades em criar uma CPI na Assembleia Legislativa para ouvir os policiais que participaram dessa ação. Nós queremos a ajuda do Judiciário”, afirmou a parlamentar.

Também participaram da reunião o deputado Zeca Viana (PDT), Alan Karde (PT), Silvano Amaral (PMDB) e Valdir Barranco (PT). O grupo também se reuniu com o procurador-geral de Justiça, Mauro Curvo, para cobrar medidas sobre o caso.

O esquema
Um esquema de espionagem no setor de inteligência da Polícia Militar de Mato Grosso foi revelado em reportagem do Fantástico. A Procuradoria-Geral da República (PGR) apura se o governador tinha conhecimento e de quem partiu a ordem para os grampos. No relatório da PM sobre suposta investigação de tráfico de drogas estavam nomes de pessoas que não tinham nenhuma relação com o crime, como de políticos, policiais, advogados, médicos, servidores públicos e jornalistas.

Pelo menos 100 telefones foram grampeados por essa central telefônica clandestina, um deles pertence ao desembargador aposentado José Ferreira Leite, ex-presidente do TJMT. Ao G1, ele afirmou que não tinha ideia do interesse em grampeá-lo. Dois jornalistas também tiveram os telefones grampeados, assim como quatro médicos.

Fonte: G1

 




Comentários realizados

  • Essa matéria ainda não tem comentários realizados e você pode ser o primeiro a comentar.

Deixe seu Comentário

Seu endereço de e-mail é de preenchimento obrigatório, mas não se preocupe que não publicaremos. Seu comentário será moderado pelo administrador do site e só será divulgado após isso.*

Outras Notícias

 O meu tio Severino Cazuzão era tão avarento que meu pai costumava dizer que ele era mais amarrado do que orelha de freira, isso no tempo em que as freiras se vestiam da... Ler mais

 Maria Doida quer mudar de nome para se eleger deputada. Como Maria Doida já foi candidata a vereadora e aliada de Collor, sendo recebida festivamente por ele na sua posse, em... Ler mais