A morte de Djaci Andrade

Meus amigos e minhas amigas, esse mundo é muito cruel. Djaci Andrade morreu e não saiu uma linha em jornal, em portal, em site ou em blog. Ninguém falou na rádio, na TV passou em branco,o jornalzinho da escola ficou mudo e sequer se ouviu comentário no cafezinho da barraca de Chico, onde ele fazia paradas obrigatórios ao tempo em que escrevia na revista do ex-sogro Josélio Gondim.

Esse é o destino de todo jornalista que fica sem espaço. Perde a fama e é ignorado, não sendo lembrado nem na hora da morte.

Djaci foi médico pediatra, cuidou dos filhos dos jornalistas do seu tempo, entre os quais me incluo, também foi jornalista e colunista de jornal. Merecia sair pelo menos no obituário.

 

Jeepleg confraterniza

 

Aqui no Condominio Monte Carmelo, em Bananeiras, a maioria dos moradores integra o time do Jeepleg. Todos eles têm jeep ou caminhoneta ou perua quatro por quatro e nos fins de semana fazem trilhas pelo Brasil afora.

Ontem houve a confraternização do grupo. Cachaça, feijoada, carne assada e muita música.

Eu não tenho jeep, mas como tenho bucho, entrei na farra e enchi a pança.

 

Homenagem na Câmara

 

A Câmara Municipal, por iniciativa do vereador Fernando Milanez, entregou os diplomas de Cidadãos Pessoenses a Sanny Japiassu e a Marcelo Terto. Sanny é a presidente da Associação dos Procuradores do Estado da Paraíba e Terto da Associação Nacional dos Procuradores.

Os dois também receberam a medalha Cidade de João Pessoa.

Milanez, além de vereador, é também Procurador do Estado. Aposentado.

 

Dominguinhos e meu livro

 

Ele faltou ao lançamento do meu livro em Princesa, mas nem por isso deixou de ser meu leitor. Tanto não deixou que mandou alguém descobrir onde encontrar um exemplar de “O lado engraçado dos políticos” e deve estar, a esta hora, degustando as engraçadas estórias ali narradas.

Falo do prefeito Dominguinhos, meu conterrâneo de Princesa.

 

Comportas abertas

 

A AESA precisa explicar os motivos que a levaram a abrir as comportas do açude Cachoeira dos Cegos, que abastece Cachoeira dos Indios e região.O fato se deu em plena seca,que é mais grave.

O açude está com um quarto da sua capacidade e o certo seria economizar água,em vez de abrir comportas e jogar tudo para o beleléu.

 




Comentários realizados

  • 06/12/2015 às 17:01

    Ciço

    Nem precisa, a aesa vai dizer que foi pra encher o rio Piancó e abastecer a cidade com o mesmo nome, mas todos da região sabem que têm terras de um cidadão que foi ou é do referido órgão, as quais ficam no caminho onde as águas que estão sendo liberadas banham.

  • 06/12/2015 às 11:21

    Alexandre

    Caro Tião, o motivo o qual levou a AESA a abrir as comportas do açude do cego, construído pelo eterno Governador da Paraíba Wilson Braga é abastecer Piancó, pois pela segunda vez, seu sistema de distribuição entrou em colapso. Da primeira vez o manancial usado foi o açude de Olho d‘Agua. Porém o açude do cego é mais proximo do local de captação e ocasiona em uma perda menor no percurso. Com certeza a AESA tem capacidade técnica de não comprometer o abastecimento das cidades já contempladas pelo açude com a abertura das comportas. Essa ação merece aplausos, pois só sabe o que é uma cidade em colapso de água é quem mora e uma. Parabéns pelo blog, amigo Tião. Sou seu leitor assíduo. Forte Abraço !

  • 06/12/2015 às 08:54

    Aurea Cristina

    A comporta foi aberta para trazer água a Piancó, que não tem açude, nem de onde tirar água. Tudo feito com estudos da AESA que viabiliza a operação para socorrer o município. Pelo menos é aqui na Paraíba mesmo, diferente de Coremas que está secando porque a água vai para diversos municípios do RN.

Deixe seu Comentário

Seu endereço de e-mail é de preenchimento obrigatório, mas não se preocupe que não publicaremos. Seu comentário será moderado pelo administrador do site e só será divulgado após isso.*

Outras Notícias

Os bons de sela Em Bananeiras chove desde a semana passada.É frio e chuva, coisa que considero altamente mais ou menos, até porque sou de uma terra fria, quase gelada, que é... Ler mais

Quanto custou a liberdade de Temer   Fala-se de algo em torno de 1 bilhão de reais torrado por Temer para garantir sua sobrevivência política na CCJ. O dinheiro, que... Ler mais

É frio de cabo a rabo   Faz frio no Estado inteiro. Até em João Pessoa! Mas em Princesa, segundo relatos fidedignos dos meus amigos que lá residem, o frio... Ler mais