Buchada com cana

 

O casal amigo Duda Gereba e Das Dores reuniu amigos no quintal de casa domingo, no Funcionários II, para uma buchada regada a aguardente São Paulo. Comemorava-se o aniversário dela, 45 janeiros bem vividos e gozados. Compareceram, entre outros, Renato Cotó, Duri-Duri, Tetéu e o escriba que vos fala. A buchada estava "uma dilícia", principalmente depois da adoção de pimenta malagueta tirada do pé e amassada no prato de plástico. A cachaça papo amarelo foi consumida sem moderação, de modo que, lá pru fim, a aniversariante subiu a saia e se sacudiu todinha, mostrando aos expectadores a calçola de diagonal com as beiradas amarelas.

 

Um luxo só.

 

 

 

Tomara que caia

 


Foi um arraso o tomara que caia usado por Lourdes de Filó na festa de aniversário de João de Neco. Cheio de babados e circundado por um elástico grosso, comprado na bodega de Zé Galego, o "tomara..." era, ainda por cima, provocante, pois de vez em quando baixava e descobria o bico do peito da dona.

 

 

 

Niver de Magdala



Teresa Magdala comemora noventa anos fazendo uma "nuit de papel" fora de época em pleno carnaval. Avisa que parte da renda será destinada às putas do Pavilhão do Chá, que depois do abandono a que  o local foi relegado, estão sem receber as férias semanais e passando fome. Mulher benemérita, essa Tereza Magdala.

 

 

 

Casamento lindo



Pense num casamento lindo, maravilhoso, chique, gostoso e inesquecível o de Chico Alicate e Creuzão, ele filho de Gilberto Amaral (in memoriam (gostaram?) e Antonieta e ela de finado Goró e Maria Boca de Fole. O padre casou os dois e nem mandou beijar, até porque sabia que o selo tinha sido tirado antes da hora. Depois, depois, muita comemoração, vinho de jurubeba indiano, catuaba dando no meio da canela e rabada com mocotó à coté fazendo a alegria da rapaziada. O advogado Antonio Ivan comeu tanto que soltou um peido alto, arrancando as beiradas do fiofó.

 

 

 

Micareta de Mastrilde



A colega Mastrilde Barros anuncia o seu micareta para depois do carnaval. Será na casa de show "Panela de Barro", ali no cruzamento do Grotão com o Colinas do Sul. Quem for, poderá doar desde uma galinha de capoeira a alguns reais, sendo que o dinheiro vai todo para a caixa das almas, segundo garante a aniversariante.

 

 

 

Buliu, casou

 



João Bonga buliu com a filha do soldado Oliveira, mas garante que casa. A menina já apresenta contornos avantajados ao lado da cintura, mas diz que não esquece a experiência, a primeira da sua vida, alegando que a primeira vez ninguém pode esquecer.

 

 

 

Pote de vaselina



Quem anda descambado para os lados da retaguarda é o colunista social Oliveira Oliveiros, da cidade rainha do vale. O pobre manda avisar aos coleguinhas da capital que está carecendo de um pote de vaselina, pois lá a coisa acontece no seco e no seco dói.

 

Pirão  e chambaril


A coluna social do Tião é o pirão de chambaril da socialite Toinha Baú.

 




Comentários realizados

  • 20/11/2016 às 16:52

    Dalva

    Buchada, pirão e chambaril. São três ingredientes próprios para elevar o colesterol ruim, obstruir as artérias e veias e levar o consumidor para tomar no furico, principalmente quem já passou dos sessenta anos de idade !!

  • 20/11/2016 às 07:41

    Paulo Mariano

    Bastião, adorei. Continue botando retrato de PRETO na sua coluna social, pois, seu coleguinha o colunista Abelardinho coloca na coluna dele o subtítulo: "Todo mundo lê",agora, retrato de PRETO ninguém vê. Um abração.

Deixe seu Comentário

Seu endereço de e-mail é de preenchimento obrigatório, mas não se preocupe que não publicaremos. Seu comentário será moderado pelo administrador do site e só será divulgado após isso.*

Outras Notícias

Quanto custou a liberdade de Temer   Fala-se de algo em torno de 1 bilhão de reais torrado por Temer para garantir sua sobrevivência política na CCJ. O dinheiro, que... Ler mais

É frio de cabo a rabo   Faz frio no Estado inteiro. Até em João Pessoa! Mas em Princesa, segundo relatos fidedignos dos meus amigos que lá residem, o frio... Ler mais

 E por falar em saudade...  Manhã chuvosa de domingo. Daqui vejo a água descer pelo calçamento quase virgem da rua. Ninguém caminha, só os quatro bebuns... Ler mais