Saiu na imprensa, com pompas e circunstâncias: O prefeito de Campina Grande se reúne com o prefeito de Cabedelo para firmarem parcerias.

Segundo a notícia, elas, as parcerias, seriam em torno de uma tal conexão logístico-econômica entre o Complexo Aluízio Campos e o Porto de Cabedelo.

Confesso que fiquei encabulado. E explico:

O Complexo Aluizio Campos não existe. Como, então, fazer parceria com o inexistente?

Seria a parceria das almas penadas?

A coisa piora, contudo, quando nos debruçamos sobre o outro objeto da parceria.

Ora, minha gente, o Porto de Cabedelo não é da Prefeitura.

Usar o porto como instrumento de barganha é, por conseguinte, uma apropriação indébita.

Será que a Prefeitura de Cabedelo anda tão pelada, tão careca, tão sem nada e tão pobre que, para o prefeito mostrar algum tipo de serviço, tem que se valer de um órgão estranho ao município?

Deve ter sido por isso que o amigo Jacaré, sentado aqui ao lado, gritou, tão logo leu a notícia dessa parceria:

-Me engana, que eu gosto!"

 




Comentários realizados

  • 12/05/2017 às 14:41

    Antonio Miranda Filho

    Faço um desafio ao prefeito de Campina Grande, mostre uma inauguração ou uma obra na sua gestão, eu, e toda minha família votaremos nele para Governador ok!!!

Deixe seu Comentário

Seu endereço de e-mail é de preenchimento obrigatório, mas não se preocupe que não publicaremos. Seu comentário será moderado pelo administrador do site e só será divulgado após isso.*

Outras Notícias

Marcos Maivado Marinho No Nordeste, em especial, substituir nomes por apelidos é o que não falta. E a Paraíba, por isso mesmo, não foge à regra.  Ler mais

 Marcos Pires Semana passada iniciei aqui a história do amigo que comprou uma casa à beira mar em Camboinha e foi veranear pela primeira vez. Também contei como sua casa foi... Ler mais