Um coleguinha nosso aqui de João Pessoa, cujo nome não digo porque se disser ele se intriga, como já ameaçou, foi a Belo Horizonte participar de um Congresso. Cidade bonita, cheia de avenidas largas, prédios enormes, gente chique por todos os lados, o coleguinha deslumbrou-se logo de chegada. Até pensou em fixar residência naquelas plagas, claro se arrumasse um emprego que lhe financiasse a moradia, a comida e a farra, que naquele tempo integrava o seu cardápio diário.

Os congressistas foram hospedados num belo hotel, como não poderia deixar de ser, por ser a cidade bela, de nome Belo Horizonte. Cada apartamentão enorme, com duas camas, banheira de água morna e saltitante, espelhos, frigobar, ar condicionado, tv com controle remoto e antena parabólica, um luxo.

O restaurante do hotel parecia um céu. Mesas e mais mesas ricamente adornadas, toalhas cobrindo tudo, uns guardanapos brancos e vaporosos que o meu coleguinha chegou a confundir com suculentas tapiocas, os talheres de prata pura, enormes, bem diferentes daqueles garfos e facas encontrados na lanchonete de Zezinho do Botafogo, que mal podiam equilibrar um pedaço de cuscuz e os garçons, todos de paletós brancos e gravatas borboletas, dando ao ambiente um ar de rara nobreza.

O bar então, com sua luz fosca, mesas discretas e cadeiras amolfadadas, além do balcão onde eram depositadas bebidas de várias marcas e sabores, encantou sobremaneira os olhos do meu amigo. Que não mais saiu de lá, diga-se. Meteu a cara no uisque como o matuto da seca mete a boca na cacimba de água fresca.

Ao término da vigésima dose, lá estava a loira. Que loira! Linda, cabelos descendo pelos ombros, seios fartos, bem dispostos dentro do vestido e mostrando apenas os seus começos pelo decote guloso, a cintura redonda e fina, os quadris (meu Deus do céu, que quadris!) pareciam as alças da Beira Rio com o viaduto no meio. O amigo levantou-se. Já era enxerido por natureza, mas quando tomava uma, saia de perto, pegava quem aparecesse. Foi até a linda, chamou-a para dançar uma parte, se apertaram, se beijaram, se amassaram, chumbregaram de todo jeito e, prestes a explodir, sem mais aguentar, o meu coleguinha convidou-a ao apartamento.

Foram. Lá dentro, em cima da cama, querendo aproveitar ao máximo o espetáculo e o saboroso prato, o coleguinha começou, sem pressa, pelos beijos ardentes de língua, passou a beijar o pescoço e, à medida em que descia, também arreava a roupa da bela. Vieram os seios, belos, pontudos, bicos vermelhinhos, ambos olhando para Pirpirituba, depois o umbigo, bem feito, só o buraquinho com a bolinha de gude dentro. Aí o amigo, para atrasar o climax, pulou do umbigo para o mocotó. Mocotó fino, de mulher valente, pernas roliças, joelhos redondinhos, parecendo uma bolacha maria e aí chegou a hora H. Desceu-lhe a calcinha e, com a mão aberta, gulosa, foi lá na gruta do amor. Mas qual o que!!!! Em vez da abertura ardente, encontrou uma verdadeira estaca. Grande, redonda, cabeçona de fazer medo a menino levado, dura que parecia a ponta de uma lança. A loira era um loiro, descobriu o meu amigo. A cachaça foi embora na hora. O amigo chamou um colega daqui que com ele foi ao Congresso, contou o havido, o colega, solidário, armou-se com um cabo de vassoura e os dois, mostrando que paraibano é bom de briga, botaram a loira, que na verdade era um loiro, para correr desembestado escada afora.

 

 




Comentários realizados

  • 06/10/2017 às 10:57

    Edmundo dos Santos Costa

    "NEM SÓ DE PÃO VIVE O HOMEM", PROVA MAIOR SE EVIDENCIA POR TUDO MAIS QUE PAPAI DO CÉU DISPONIBILIZA NESTE "VALE DE LÁGRIMAS", MOSTRANDO A TODOS, COM SUA IMENSA SABEDORIA E PRODIGIOSA CRIAÇÃO QUE, COMO DISSE O FILÓSOFO, "NÃO VALE A PENA VIVER SE TER EM MENTE QUE VAI MORRER E NEM MORRER SEM TER VIVIDO". XALON!

  • 05/10/2017 às 14:45

    Alexandre

    Tião, pra animar a galera, coloca umas defeituosas ai!!!! Somente intriga política e noticia de malandro tá phoda!!! VALEU!!!!!

Deixe seu Comentário

Seu endereço de e-mail é de preenchimento obrigatório, mas não se preocupe que não publicaremos. Seu comentário será moderado pelo administrador do site e só será divulgado após isso.*

Outras Notícias

Marcos Maivado Marinho No Nordeste, em especial, substituir nomes por apelidos é o que não falta. E a Paraíba, por isso mesmo, não foge à regra.  Ler mais

 Marcos Pires Semana passada iniciei aqui a história do amigo que comprou uma casa à beira mar em Camboinha e foi veranear pela primeira vez. Também contei como sua casa foi... Ler mais