1 - Chove no sertão, os riachos transbordam, açudes recebem água e o Jatobá de Princesa continua no zero. Alguns mais espertos represaram o Riacho Macapá, que bota água no açude, e por conta disso, adeus Jatobá.

 

2 - O ex-prefeito de Princesa, Dominguinhos, está sendo acusado de aposentar, com salário de quatro mil reais, uma certa pessoa da sua estima. Detalhe: a pessoa tinha exatamente quatro anos de serviços prestados à Prefeitura.

 

3- O mano Edmilson está a viajar por São Paulo. No primeiro dia de estadia ficou preso no hotel por causa da chuva. Mas como é esperto, arranjou um jeito de escapulir até o bar da esquina e ficou de lá observando as goteiras e tomando umas.

 

4 – Vavá da luz festeja com muita cachaça e tira gosto de cobra a chuva que cai neste exato momento no Ingá.Vavá é um enamorado da sua terra.E da terra molhada, então...

 

5 – O prefeito Luciano Cartaxo já não esconde de ninguém que está em campanha aberta para o Governo do Estado. Quando não viaja, recebe prefeitos na Capital. Tony Show estava perguntando hoje quem está financiando as viagens da comitiva de Cartaxo.

 

6 – O deputado Veneziano Vital do Rego está acusando o senador Cássio Cunha Lima de se apoderar de uma frase dita pelo Superman, no filme “Superman – O Retorno”, e pronunciá-la como sendo do poeta Ronaldo Cunha Lima, seu pai.

 

7 – A frase é esta: “Ele disse que eu iria ver pelos olhos dele, que eu iria falar pela voz dele, que eu iria andar pelas pernas dele”.

 

8 – Eles, que são brancos, que se entendam.

 

9 – E agora lá se vão meus abraços sabadais para Cleide Amorim, Estelita Maris, Tenorio Carvalho, Vera Nascimento, Alexandre Almeida, Vera Bias, Lourdes Melo de Orlando, Cicero Cordeiro, Marcio Galdino, Junior do Roger, Adilene Pereira, Alex Correia, Aloysio Carneiro, Anailza Melo,Achieta Camelo, André Luiz, Andressa Thiago, Anselmo Carvalho, Basilio Junior,Bruna Gomes,Carolina Vieira, Cicero Brito e Chico França.

 

10 -Cientistas australianos garantem que espremer um pouco de sumo
de limão dentro da vagina antes do sexo pode matar os espermatozóides, tornando-se um contraceptivo barato e simples.
Assim, como somos brasileiros, juntando o útil ao agradável, adicione um pouco de açúcar, gelo e pinga na hora da relação sexual e, usando o pênis como pilão, você terá um novo tipo de caipirinha:
" A caipixota "

 




Comentários realizados

  • 18/03/2017 às 17:50

    Angela Lima

    O JORNALISTA FERNANDO BRITO, ESCREVEU NO TIJOLAÇO:// Escândalo da carne tem muitas “coincidências” fedorentas./POR FERNANDO BRITO · 18/03/2017./// Desastroso politicamente para Michel Temer – não apenas por Osmar Serraglio, mas porque atinge boa parte de sua base, a bancada ruralista – o escândalo desta nova operação “Vaca a Jato” tem outro fedor além da carne estragada. Não apenas porque ensaia a abertura de uma frente de investigações onde a PF pode colocar em prática os seus já notórios métodos de envolver a política macro naquelas pequenas falcatruas que abundam na política micro, com a intenções que, hoje, qualquer um percebe. Mas porque, “coincidentemente”, atinge um setor (dos muito poucos) em que o Brasil consegue ser um player mundial, o de proteína animal (carnes e processados). Mauro Zaffalon, hoje, na Folha, dá a medida do que está nesse jogo. O país sempre lutou para livrar-se do estigma de produzir carne de baixa qualidade e de ser negligente no controle sanitário. Foi só depois de duas décadas de luta que o Brasil conseguiu abrir o mercado dos Estados Unidos para a carne “in natura”.(…) Em poucos anos, o Brasil passou de importador de carne a líder mundial em exportações no setor. São US$ 14,5 bilhões em receitas que entram anualmente no país vindos das exportações de proteína animal. O avanço rápido do Brasil no mercado externo provocou a ira de outros mercados, que vão se aproveitar da situação para baratear ou até para impedir o avanço da carne brasileira. O jornalista Florestan Fernandes, no Facebook, vai ao ponto: em três setores econômicos o Brasil incomodava os nossos “amigos” do Norte. Eram o petróleo, empreiteiras e indústria de carnes e embutidos( salsichas, presuntos, linguiças, etc ). A BRF é também a terceira maior exportadora brasileira e a maior exportadora de aves do mundo, com 20% de participação do trade mundial, além de responder por 9% das exportações mundiais de proteína animal. Já a JBS é a maior produtora mundial de carne bovina e a terceira maior produtora de suínos nos Estados Unidos. Onde, desde ontem, escritórios de advocacia se preparam para processar as duas empresas, pelas perdas sofridas por acionistas. Coincidências, coincidências… Há algo, também, que a opinião pública desconhece: os grandes frigoríficos não são estruturas autônomas, mas respondem por um parque de fornecedores, pequenos e médios criadores, sobretudo na região Sul, que alcança dezenas de milhares de propriedades de pequeno porte. Há muitos odores desagradáveis brotando desta história.(Fonte:Tijolaço)

  • 18/03/2017 às 17:36

    Angela Lima

    HOJE É SABÁDO, E HÁ TANTAS COISAS ACONTECENDO QUE ME FEZ LEMBRAR DE UMA FRASE EM ESPANHOL, QUE UNS ATRIBUEM À PABLO NERUDA, OUTROS A CHE GUEVARA: " YO NO CREO EN LAS BRUCHAS, PERO QUE LAS HAY, LAS HAY".//////// ASSUSTA-ME VER QUE MAIS UM SEGMENTO DA ECONOMIA BRASILEIRA ESTÁ TAMBÉM À BEIRA DA DESTRUIÇÃO. E SE EM UM COMENTÁRIO ANTERIOR EU PERGUNTAVA: QUAIS AS SOBRAS DE PAÍS NOSSOS FILHOS E NETOS HERDARÃO? HOJE SINTO CALAFRIOS SÓ EM PENSAR! VEJO QUE PESSOAS EXPRESSAM O MESMO SENTIMENTO E PREOCUPAÇÃO.//O 247 COMPARTILHOU UMA POSTAGEM QUE O JORNALISTA FLORESTAN FERNANDES JUNIOR (FILHO DO GRANDE SOCIÓLOGO BRASILEIRO) ESCREVEU NO FACEBOOK//"FLORESTAN APONTA INTERESSE DOS EUA NA DESTRUIÇÃO DO BRASIL.//Três concorrentes brasileiros incomodavam os EUA: Petróleo, Empreiteiras e industria de Embutidos (salsichas, presuntos, linguiças etc). Nos últimos anos várias empresas desses setores se transformaram em multinacionais e operavam fortemente na América Latina, Africa, Asia e até nos Estados Unidos. Desde 2015 essas empresas brasileiras estão sendo varridas do mercado internacional através de investigações por fraudes e corrupção. De gigantes voltaram a ser anãs. Agora entendo o sentido da frase de Obama quando disse que o Lula era o cara. Era o cara que comandava o país a ser alvejado. Éramos penetras na festa dos ricos. Operávamos com a mesma desenvoltura para ganhar licitações como fazem as grandes do mundo: Siemens, Alstom, Bombardier, etc. Todas investigadas recentemente, mas preservadas e trabalhando normalmente, inclusive aqui no nosso país em obras como a do metrô. Uma pergunta me intriga: será que todo esse estrago na economia brasileira foi orquestrado lá fora?//// O 247 TAMBÉM REPRODUZ PUBLICAÇÃO DO LUIS NASSIF, NO GGN:/// NASSIF: REPÚBLICA DO PARANÁ VAI DESTRUIR MAIS UM SETOR DA ECONOMIA.** Algumas considerações sobre a operação contra a Friboi, BRF e outras: A ofensiva multinacional brasileira, no período Lula, deu-se em cinco setores principais: empreiteiras, frigoríficos, siderúrgicas, bancos e petóleo, graças ao pré-sal. A Friboi não era, de fato, flor que se cheire. Mas entram outras, como a BRF, empresas que caminhavam para exercer hegemonia no poderossísimo mercado de carnes e alimentos. Corrupção em fiscalização sanitária é segredo de polichinelo, como me lembra um colega jornalista. Era uma arma engatilhada, pronta a ser sacada a qualquer momento contra o setor. Até agora, a Friboi havia conseguido ampla blindagem na mídia graças à parceria com veículos de comunicação e verbas polpudas de publicidade. O tamanho e o estardalhaço da operação Carne Fraca dá um tiro no peito do setor. Mais uma vez é conduzida pela Justiça Federal do Paraná e pelo delegado Moscardo Grillo. E com um estardalhaço injustificável. Prisão ou condução coercitiva de 46 pessoas, centenas de policiais envolvidos, o nome das empresas exposto globalmente. E tudo isso para verificar, segundo o Globo, “excesso de água, inobservância da temperatura adequada das câmaras frigoríficas, assinaturas de certificados para exportação fora da sede da empresa e do Ministério da Agricultura, sem checagem in loco, venda de carne imprópria para o consumo humano”. A Lava Jato vai conseguir destruir mais um setor da economia. O BTG Pactual caminha para o mesmo destino, agora alvo de ofensiva da Suíça. Na Petrobras, Pedro Parente prossegue no desmonte de vender ativos na bacia das almas, a pretexto de reduzir o endividamento, ao mesmo tempo em que liquida antecipadamente financiamentos já contratados. É um desmonte amplo do país./// E PARA FINALIZAR, MAIS UM DO 247:///ÓLEO E GÁS, CONSTRUÇÃO E, AGORA, CARNES. O QUE VAI SOBRAR NO BRASIL?**Os setores mais importantes da economia brasileira estão sendo devastados por operações policiais; com a Lava Jato, foram destruídas empresas atuantes nos setores de construção pesada e óleo e gás; a prova mais recente foi o fato de o leilão dos aeroportos não ter tido a presença de nenhuma construtora brasileira; agora, com a Operação Carne Fraca, da Polícia Federal, foram atingidas as principais empresas de alimentos do Brasil, que é líder mundial na exportação de carne bovina e de francos, com vendas de US$ 13,9 bilhões em 2016, mas que certamente será alvo de novas barreiras sanitárias; as grandes questões que devem ser colocadas são: haveria uma maneira de combater a corrupção sem destruir empresas e empregos? a quem interessa a destruição de mais uma cadeia produtiva brasileira?// 247 – Três anos depois da Operação Lava Jato, que completou aniversário nesta sexta-feira 17, o que restou da engenharia brasileira? Praticamente, nada. A Odebrecht demitiu mais de 100 mil funcionários e foi riscada do mapa, sendo tratada como empresa radioativa na América Latina. A OAS está em recuperação judicial. A Camargo Corrêa vendeu ativos para empresas chinesas. E construtoras menores também encolheram drasticamente. No setor de óleo e gás, uma das principais apostas do setor, a Sete Brasil, foi à lona. Empresa que construiria as sondas para o pré-sal, ela também foi atingida pela Lava Jato, assim como toda a indústria naval brasileira. O resultado foi um processo de destruição econômica raras vezes visto na história da humanidade. Em comum, todas essas empresas foram abatidas por investigações policiais. Curiosamente, no mesmo dia em que a Lava Jato completou três anos, o assunto do momento passou a ser outro: a Operação Carne Fraca, que derrubou as ações das duas maiores empresas de alimentos do Brasil: a JBS, dona da marca Friboi, e a Brasil Foods, das marcas Sadia e Perdigão. A partir de um problema aparentemente isolado, toda uma cadeia produtiva foi jogada na lama. "Um soco", definiu o ministro da Agricultura, Blairo Maggi. Como empresário, sendo um dos maiores exportadores de soja do mundo, Maggi sabe o quanto custa abrir mercados internacionais. Hoje, o Brasil é o maior exportador de carne bovina e de frangos do mundo e as exportações desse segmento representam 6,9% das vendas internacionais brasileiras. Nada menos que US$ 13,9 bilhões. Como todo o enfoque da Operação Carne Fraca se deu na questão sanitária, uma consequência inevitável será a imposição de barreiras comerciais contra as exportações nacionais. E o Brasil, que já vive a maior depressão econômica de todos os tempos, com um PIB que encolheu praticamente 10% em dois anos, terá uma recessão ainda mais aguda, com mais demissões na indústria. A quem interessa destruir mais uma cadeia produtiva brasileira, depois da implosão dos setores de óleo e gás e de engenharia? Quem se beneficia? Será que não seria possível investigar eventuais desvios sem comprometer interesses nacionais? São questões que ainda aguardam respostas.

  • 18/03/2017 às 16:34

    Aurea Cristina Barros

    Bonitão, aqui em Piancó foi uma chuva de 100 mm, com trovão e raios. A primeira grande chuva do ano. Deus seja louvado!!!

  • 18/03/2017 às 11:05

    Carcará

    O caos do malandro desprojeto de prefeito q a cidade de Princesa Isabel teve a infelicidade de ter um Al Capone daquele naipe como chefe do executivo tem mais laranjas a seu serviço do jogo dos ratos. Basta terem um bom serviço de inteligência investigativa q saiba balançar o Laranjal q vai sair laranjas para todos os lados. A questão do jatobá II é o resultado de uma justiça inoperante e de um moribundo DNOCS q nada resolve. O grupo capitalista colocou mais de 14 mil habitantes a mercê de carros pipas, indústria da seca,q está fazendo seres lascados tornarem-se ricos. Tbm pudera, 1000 l do líquido precioso, sem tratamento, custa R$ 25,00. O grupo capitalista vai acabar com o açude Macapá. Secaram o jatobá II, agora vão secar o açude Macapá. Se fosse um pobre q tivesse feito uma pequena represa no leito do riacho Macapá, juiz, promotor, federais ou estaduais, já teria feito o autor dá obra derrubar a parede da barragem cavando com par e picaretas. Mas como são poderosos, nada acontece. Tem a venda dos terrenos do jatobá II próximos ao seu paredão, nada até esta data foi esclarecido.

  • 18/03/2017 às 08:58

    jose marcelo neto

    tiao acessando pela internt,a movimentaçao do bicassado,vemos que o relator dar por concluso ai vem petiçao em cima de petiçao.ai vem a procuradoria pedindo vista e assim se vai,desde 2012 que esse inquerito a ministra mandou apurar.voce que tem mais acesso a jornalistas entre em contato com alguem da folha de spaulo.porque ele pode ta na linha sucessoria,ele eo vice presidente do senado,nao sei porque tanto tempo.como disse amorim do conversa afiada,vai julgar cassio quando ele morrer.

Deixe seu Comentário

Seu endereço de e-mail é de preenchimento obrigatório, mas não se preocupe que não publicaremos. Seu comentário será moderado pelo administrador do site e só será divulgado após isso.*

Outras Notícias

1 – Vou deixar de lado o rame rame. Hoje é sábado, dia de descontrair. Até o senador Maranhão, sisudo e circunspecto, passou a semana fazendo festa de... Ler mais

Começo hoje pelos abraços e faço isso porque na coluna de hoje só vai ter amenidades.As tensões deixei-as lá nas Capitá e pretendo não... Ler mais

1 – Novidades no 3404, aquele inquérito que apura o caso do dinheiro voador, o famoso dinheiro que voou pela janela do Edifício Concorde em 2006 e que tem como indiciado o hoje... Ler mais