O governador Ricardo Coutinho anunciou, na noite desta sexta-feira (1º), que vai convidar os representantes do Home Center Ferreira Costa para saber os reais motivos que teriam levado a empresa a desistir de se instalar na cidade de João Pessoa.

Ele disse que tomou conhecimento pela imprensa que a empresa pernambucana teria decidido abrir sua nova filial na cidade de Natal, depois que a obra iniciada na capital paraibana foi embargada pela Prefeitura de João Pessoa.

O governador lembrou que a vinda do Grupo Ferreira  Costa para João Pessoa foi uma conquisto do Governo do estado,que recebeu em Palácio os responsáveis pela empresa e os estimulou a se instalar na capital paraibana.

“Fiquei muito preocupado quando soube pela imprensa que um grande grupo empresarial que iria gerar mais de 500 empregos diretos no nosso Estado desistiu de abrir uma filial em João Pessoa. Como ex-prefeito desta cidade e como governador da Paraíba, me sinto na obrigação de me inteirar dos fatos e, se for caso, contribuir de alguma forma que a empresa reverta essa decisão”, observou o governador.

Entenda o caso
Nesta semana, a construção da filial do Home Center Ferreira Costa em João Pessoa foi paralisada depois que a Prefeitura da Capital decidiu cassar as licenças anteriormente concedidas.

De acordo com informações reveladas pela imprensa, a decisão de embargar a obra teria sido tomada pela prefeitura a pedido do Aeroclube de João Pessoa, sob a alegação de que a construção do empreendimento colocaria em risco a decolagem e pouso de aeronaves.

Solidez empresarial
Com 131 anos de fundação, a Ferreira Costa está entre as 14 empresas mais antigas de Pernambuco em funcionamento e ocupa o 5º lugar no ranking nacional das lojas de material de construção. O grupo conta com mais de 2.500 colaboradores diretos e mais 400 promotores para apoio de vendas.

Bomba
O blog do Marcos Werick circulou esta noite com mais gasolina para incendiar a fogueira dos mistérios que rondam essa misteriosa ação da Prefeitura.

Informações obtidas pelo Blog com exclusividade, dão conta de que a secretária de Planejamento da Prefeitura de João Pessoa, Daniela Bandeira, usou indevidamente o nome do Ministério Público Estadual da Paraíba para tentar justificar o embargo da obra de construção do Home Center, mesmo depois que a empresa conseguiu todas as licenças e certidões para tocar o empreendimento.

Segundo o Blog de Werick, “os advogados da empresa receberam a informação da secretária, Daniela Bandeira, de que o Ministério Público estaria com procedimento aberto para averiguar supostas irregularidades na referida obra.”

E narra, Marcos Werick: “Os advogados foram então, espontaneamente a sede do Ministério Público da Paraíba e em seguida, a Comissão de Combate aos Crimes de Responsabilidade e à Improbidade Administrativa (CCRIMP), onde conversaram com o promotor Otacvio Paulo Neto, e em ambos, pasmem, não encontraram nenhum procedimento aberto com relação a referida obra. Ou seja, a secretária mentiu numa tentativa de intimidar a empresa.”
 

 




Comentários realizados

  • 02/12/2017 às 16:04

    Carlos Brito

    Eita Tião, Esse embargo tá parecendo com aquela novela do shopping de Intermares, interesses diversos por trás, nas imediações da BR 230 sentido João Pessoa Cabedelo tem duas grandes lojas denominadas de de Home, de repente mais um pra concorrer, como se diz lá em Nóis, intorna o caldo, apesar dos referidos Homes ficarem no município de Cabedelo!!!

Deixe seu Comentário

Seu endereço de e-mail é de preenchimento obrigatório, mas não se preocupe que não publicaremos. Seu comentário será moderado pelo administrador do site e só será divulgado após isso.*

Outras Notícias

 O prefeito Luciano Cartaxo precisa ter um limite, um freio. Até para o próprio bem dele, necessário se faz o seu secretário de comunicação, Heron Cid,... Ler mais