“O filho boquirroto, o marginal e a doida”

Trava-se, no cenário político brasileiro, uma guerra suicida.

Os contendores, no entanto, não lutam por ideais ou por melhorias para o povo.

Eles brigam pelo que tem na gamela.

A briga atinge um nordestino ilustre, uma conterrânea agregada e um carioca enfezado.

O primeiro surgiu nesta campanha, se anunciando o papel carbono do presidente eleito.

Era, no dizer dele, tão poderoso que se ofereceu a um governador eleito para apresenta-lo ao presidente.

No entender dele, o eleito, um desconhecido, só chegaria ao presidente por seu intermédio.

A outra, uma moça bonita, inteligente e destemperada, achou que era uma liderança política de alta expressão e, candidatando-se ao parlamenbto real, ficou na suplência.

E uma suplência humilhante, já que o único deputado eleito no seu partido só recebeu 50 mil votos.

Quando nos outros partidos o candidato só tinha chance quando sua votação chegava perto de cem.

O terceiro personagem é filho do homem.

E especializou-se em meter o pau nos amigos do seu pai.

Meteu o pai no conterrâneo, que bateu pino, com medo de desgostar o capitão.

Bateu e rebateu.

E a terceira pessoa endossou.

Só que o endosso veio misturado com um monte de acusações.

Dentre elas, a de que o candidato eleito apareceu pilotando uma caríssima Amarok depois de receber a verba do fundo partidário.

O negócio está feio. Tão feio que mereceu epíteto de consagrado pensador sertanejo, o queridíssimo OX, também conhecido como “Ontoim Xofer”, que ao ler e ouvir o que esses três têm dito um com o outro desde ontem, sentenciou, com aquela cara de quem morreu e já está no céu:

“Está parecendo com a guerra dos destemperados narrada pelo magistral Zé de Ana no seu célebre  “ O filho boquirroto, o marginal e a doida”.

3 Comentário On “O filho boquirroto, o marginal e a doida”

  • Tião Velho de Guerra, seu texto é enigmático, próprio daqueles que escrevem para si próprio. Se tem medo, é melhor guardar seus enigmas !!!

  • Edmundo dos Santos Costa

    O PROBLEMA É QUE A MOCETONA A QUEM DIZES DOIDA, QUER SER EXCEÇÃO NA POLÍTICA, SÓ QUE ELA É UMA EXCEÇÃO, POR ELA MESMA ESCRITA, COM DOIS ÉSSES. “EXCESSÃO”. A BANDIFAGEM: QUER MORADORA DA DIREITA OU FREQUENTADORA DA ESQUERDA, SABE QUE O BICHO ELEITOR É FACILMENTE MANIPULÁVEL POR AMBOS OS “ARTISTAS” E PELOS MEIOS QUE ESTES DISPÕEM PARA EDIFICAÇÃO DA “OBRA”.

Deixe uma resposta:

Seu endereço de e-mail não será mostrado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Sliding Sidebar

Sobre Tião Lucena

Sobre Tião Lucena

Tião Lucena, nascido e criado no Sertão, é jornalista desde 1975, tendo começado em A União como repórter e trabalhado em O Norte, no Correio da Paraíba, no Jornal O Momento e no jornal de Agá.

Social Profiles