Adeus, igreja evangélica!

Se havia a possibilidade de voltar a ser o evangélico que já fui um dia, essa possibilidade deixou de existir a partir da decisão dos pastores capitaneados pelo meu conterrâneo Estevam Fernandes, de apoiar o capitão Jair Bolsonaro à Presidência da República.

Em entrevista a um portal de João Pessoa, o pastor Estevam fala que ele e outros cem reuniram-se em Brasília para escolher um candidato entre Marina, Alckmin e Bolsonaro.

Já aí começou o preconceito. Por que somente entre os três, quando existem Ciro Gomes, Hadad e outros, inclusive um cabo/deputado, evangélico fervoroso?

Saiu da cartola o senhor Bolsonaro, o pai do preconceito, o defensor da tortura, o discípulo de Ustra, aquele que, ao ser questionado sobre como receberia um neto filho do seu filho com uma negra, respondeu que seu filho foi bem criado e jamais cometeria uma aberração dessas.

Portanto, meu amigo reverendo Souza, fica arquivado o meu retorno aos braços de Jesus Cristo através da igreja evangélica. Vou ficar na minha, espiando de longe e sem me meter no meio de um povo que se acha refinado demais para dar cabimento a quem aceita como irmão o gay, a lésbica, o trans, o negro, o índio, o pobre e tudo o que representa minoria nesse país de tantos pastores elitistas e preconceituosos.

Prefiro ficar com o Jesus que perdoava a prostituta e dava ao ladrão arrependido o direito de pleitear o reino dos céus.

Deixe uma resposta:

Seu endereço de e-mail não será mostrado.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Sliding Sidebar

Sobre Tião Lucena

Sobre Tião Lucena

Tião Lucena, nascido e criado no Sertão, é jornalista desde 1975, tendo começado em A União como repórter e trabalhado em O Norte, no Correio da Paraíba, no Jornal O Momento e no jornal de Agá.

Social Profiles

Mais comentadas