A surra moral que o senador deu no Moro

Por Paulo Henrique Amorim

Ministro, ouviu falar em Declaração Universal dos Direitos do Homem?
Sem Título-28.jpg

Contarato: Moro e Dallagnol violaram o que há de mais sagrado no processo penal!

De Kiko Nogueira, no DCM:

A enquadrada épica do senador capixaba Fabiano Contarato no ex-juiz Sergio Moro já ficou para a História.

Contarato — o primeiro senador da República assumidamente homossexual, que derrotou Magno Malta no Espírito Sаnto –, disse que foi eleito apoiando a Lava Jato, mas o comportamento do ex-juiz e do procurador Deltan Dallagnol violava o que há de mais “sagrado no processo penal”: a isonomia e o tratamento igual entre as partes.

“Se eu tivesse contato por WhatsApp com advogado de contra quem instaurei inquérito, acho que sairia preso da delegacia do qual era titular”, falou.

“O juiz está para o processo assim como o delegado para o inquérito”.

Contarato ainda perguntou se o depoente mantinha sua posição de apoiar uma das famigeradas dez medidas contra a corrupção, que autorizava provas conseguidas de maneira ilegal, desde que obtidas de boa-fé.

Moro apelou para a falácia.

“Pelo o que eu entendi da sua fala, você defende a anulação de tudo, então? Toda as condenações, todas as denúncias… Vamos devolver o dinheiro para Renato Duque e Paulo Roberto Costa?”, atacou.

“Anular toda a operação Lava-Jato, como o senhor aparentemente defende? É essa sua posição?”.

Contarato devolveu: “Com todo o respeito, excelência, vossa excelência está colocando palavras na minha boca. Eu, em nenhum momento, estou defendendo a anulação ou a absolvição. Eu não estou falando isso”.

Continuou: “O que eu estou questionando, é que houve a quebra do princípio da imparcialidade, de quando o juiz que tem que ser imparcial mantém contato, por inúmeras vezes, com aquele que tem interesse 100% em uma eventual sentença condenatória transitada em julgado”.

Tudo de maneira sóbria, sem elevar o tom de voz, mas expressando a devida indignação — em contraste com o outro, de bochechas vermelhas, desafinando, gesticulando, enrolando.

Um grande momento da democracia brasileira, senhoras e senhores.

Cafezito@indeferido

Embedded video

Cafezito

3 Comentário On A surra moral que o senador deu no Moro

  • Os bolsonaristas devem ter ficado “p” da vida.
    Imagina ver o “herói” ser “desbancado” por alguém que “saiu do armário”.
    E o Malafaia vai sair em defesa do “herói”?
    E “aquele” que segundo o Jean Wyllis seria uma “bicha reprimida”, será
    que vai postar algo?
    Se fizer post ofensivo ao senador, vai estar se entregando de bandeja.
    E qual será o vocábulo que o guru vai inventar para nomear o senador?

    Ficou claro que o HERÓI ali não era o ex-juiz.

    Será que no menu do Cassino da Lagoa já consta o prato da moda?
    Supremo de Marreco a la Curitiba?

  • Acho que estão dando espaço a Moro para se defender do indefensável. Deixa fritar mais, deixa ele enlouquecer, ficar sem dormir, abre CPI e dai sim ele vá depor.

  • Além de ser o poder que mais falta a república, como dizia Rui Barbosa, pior: é o poder que está levando o Brasil a desmoralização de todas as instituições. O judiciário vai conduzindo a ovelha, Brasil, ao matadouro. No entanto, esquecem que esses juizecos, se isso acontecer, serão os primeiros a serem degolados.

Deixe uma resposta:

Seu endereço de e-mail não será mostrado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Sliding Sidebar

Sobre Tião Lucena

Sobre Tião Lucena

Tião Lucena, nascido e criado no Sertão, é jornalista desde 1975, tendo começado em A União como repórter e trabalhado em O Norte, no Correio da Paraíba, no Jornal O Momento e no jornal de Agá.

Social Profiles

teste