Deputados que foram a Brasília pedir o canal de Engenheiro Ávidos levaram um não redondo

Os deputados que integram a Frente Parlamentar Interestadual em Defesa da Conclusão das Obras dos Eixos Leste e Norte da Transposição do Rio São Francisco, voltaram de Brasília preocupados, pincipalmente os que integram as bancadas da Paraíba e do Rio Grande do Norte. Isto porque constataram que o Governo Federal não dispões de recursos para fazer o canal Caiçara-Engenheiro Ávidos, ligando a barragem de Caiçara, em Cajazeiras ao açude de Engenheiro Ávidos. Isto significa que sem essa obra, as águas da Transposição não chegarão ao sertão paraibano, nem em localidades do Rio Grande do Norte.

Essa triste afirmação que não existe previsão financeira foi colocada por técnicos do Ministério do Desenvolvimento Regional e referendada pelo secretário nacional de Infraestrutura e Segurança Hídrica, Marcelo Borges, durante audiência com parlamentares, nesta quinta-feira (12). “Sem esse canal como é que a água vai chegar no Rio Grande do Norte se não for pelo Rio Piranhas?”, indaga o deputado estadual, Jeová Campos, um dos presentes à audiência.

O deputado questionou ainda como que o Rio Piranhas irá se alimentar se não da barragem de Caiçara, via Engenheiro Ávidos, que é a porta de perenização do Rio Piranhas. “O Marcelo foi categórico em afirmar que não há recursos para fazer essa obra. Eu penso que a gente precisa colocar isso em debate, porque sem ela não chegará a tão esperada água da Transposição”, destaca Jeová.

Sobre a suspensão do bombeamento das águas por causa de problemas em Cacimba Nova, o deputado Jeová disse que também viu muita sinceridade do interlocutor do governo. “Ele disse que houve uma avaria na parede de Cacimba Nova que foi consertada, mas, que quando foi feito o rebombeamento para Monteiro, o problema voltou a acontecer e por uma questão de prudência, os engenheiros decidiram suspender o bombeamento até que o problema seja resolvido definitivamente”, destacou Jeová.

Além do deputado paraibano Jeová Campos, integraram a comitiva da Frente os deputados Antônio Fernando (PSC-PE), Guilherme Landin (PDT-CE) e Francisco do PT (PT-RN). Jeová que voltou nesta sexta-feira de Brasília avalia que apesar da triste notícia, o balanço da viagem foi muito positivo. “Agora a gente sabe que tem que buscar outros meios para viabilizar essa obra, uma vez que o Governo Federal disse que não há disponibilidade de recursos para tal e que o que foi feito em Monteiro foi um procedimento técnico necessário para evitar maiores problemas”, finaliza o deputado que durante sua estada em Brasília ainda participou de reuniões na Agência Nacional de Águas (ANA) e de uma atividade na Câmara, sobre Ciência e Tecnologia, que debateu a convocação do ministro Paulo Guedes para explicar os cortes nas bolsas dos pesquisadores do CNPQ.

12 Comentário On Deputados que foram a Brasília pedir o canal de Engenheiro Ávidos levaram um não redondo

  • Se depender do governo federal o nordeste o que se lasque

  • Os governadores dos estados que seriam beneficiados com as águas da Transposição do São Francisco
    precisam formar, urgentemente, um consórcio e buscar investimentos no exterior.
    Chega de esperar por políticos e técnicos que estão se lixando para os problemas hídricos da região.
    Com vontade política, e compromisso com as necessidades da região, encontrarão investidores.

  • Magina se bostanaro não tem recursos, magina. Esse deputadozinho é tão inocente chega dá pena rsrsrsrsrsrsrsrr. Quem não sabe que é uma revanche odiosa por causa das urnas

  • Olha,gente.Populoso como se encontra o semi-árido brasileiro,nosso nordeste,os governos em todas as instâncias-Federal-Estadual-Municipal, as Instituições que dão suportes tem que se mobilizarem por todos os meios para resolver o problema hídrico da região.Como estar,vamos ver a situação se deteriorando a paços largos.Quem duvidar dê uma passadinha no canal do trabalhador,no Ceará. Nasce no município de Itaiçaba e percorre 115 km,até o Pecem(Porto Marítimo)município de São Gonçalo do Amaranto-Ce.A pouca água existente há vários anos,em decorrência da falta de suporte ,de onde tirar,praticamente tornou sem sentido uma obra,cara,útil e hoje semi-abandonada.Falta decisão política pois, os governos estão,unicamente, preocupados em se manter nos cargo .

  • Surpreende-me o silêncio tumular da barulhenta Campina Grande. Parece-me que aquela zoada anterior acontecia na cozinha derrotada dos cunha-lima. Hoje, passeiam na cozinha do bozo. Prá que zoada deles, né?

    • Devem estar calados de tanta vergonha pelos votos de cabrestos dados ao Bolsonaro.
      Vamos ver o que dirão daqui a alguns meses quando águas do Boqueirão bauxarem,
      e as torneiras virarem enfeites.

  • Gente, verdade, mas isso é difícil, porque empresários só investem em locais com estrutura( água, comunicação, energia, asfalto, pavimentação,etc). O não cumprimento das obrigações do Estado afasta o interesse dos empresários, uma vez que empresários raramente pensam no social( e não se pode exigir isso), empresários pensam em lucro, e o Estado deve cumprir seu papel. Qual empresa vai investir em transposição de águas gratuitamente, por pensar no próximo? Por consciência social? O programa luz para todos, estendeu energia elétrica para 15.000.000 de pessoas. Essa pessoas, compraram dois milhões e quatrocentos mil televisores!! Dois milhões e duzentos mil geladeiras! Liquidificadores, bombas d’áqua, máquinas de moer… gerando demanda para a indústria e gerando empregos. Qual empresa desta,ou consórcio, se prontificaria em expandir a rede elétrica nacional? Uma quantidade de cabos elétricos que daria pra dar duas voltas no planeta Terra? Sabe qual empresa? Me perdoem a expressão!! Não quero manifestar ódio!! Quero manifestar apenas um pouco de sarcasmo e indignação. A resposta: A empresa chamada A do Jumento Empreendimentos!!

    • Existem empresários comprometidos com o social, sim. Empresários brasileiros xom essa visão
      é realmente coisa rara, mas existem fundações criadas por empresários estrangeiros que
      investem no desenvolvimento das comunidades. Já ouvistes falar do trabalho desenvolvidos pela
      fundação da Melinda e do Bill Gates? (E so um exemplo para mostrar as possibilidades.)
      Também existe os investimentos a fundo perdido do Bavo Mundial.
      Eu creio que um projeto como o da Transposição, se bem divulgado no exterior, atrairia, sim,
      investidores.
      O problema e que quando se fala em “investidor”, as pessoas logo relacionam com capital
      especulativo, e não é esse o caso.
      O que a Transposição precisa pe de uma voz com coragem e força para persuadir investidores
      no exterio, especialmente, agora, que .a imagem do governo é tão negativa lá fora.
      Essa é hora de divulfar o quanto a região está abandinada, e com escassez de recursos do
      governo Bolsonbaro.
      pE hora de perder a vergonha e se assumir com um povo pobre e necessitado.
      pE hora de não ter vergonha de pedir, mesmo que sejam !esmolas” de alguns milhões de
      euros, dolares, livras esterlinas, yuans, ou o que seja.

  • Quando vi a foto do Jeová, me perguntei… só se o governo federal fosse muito burro para atender… o que um petista vai pedir algo ao governo federal? Fala sério… ficaram treze anos e não conseguiram e agora querem…. vão se lascar…

  • Jarbas Murilo de Lima Rafael

    O petismo não tem mesmo qualquer força sobre o governo Bolsonaro. Quando João Azevedo for certamente trará boas notícias para a Paraíba.

Deixe uma resposta:

Seu endereço de e-mail não será mostrado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Sliding Sidebar

Sobre Tião Lucena

Sobre Tião Lucena

Tião Lucena, nascido e criado no Sertão, é jornalista desde 1975, tendo começado em A União como repórter e trabalhado em O Norte, no Correio da Paraíba, no Jornal O Momento e no jornal de Agá.

Social Profiles

teste