É preciso acreditar

Em 1930 quiseram transformar o coronel José Pereira Lima no grande vilão da história. Tomaram-lhe tudo, separaram-no da família e só não foi preso porque fugiu. Passou seis meses escondido, perambulando por serras e estados, se fazendo de almocreve e de pescador para tapear as forças de Getúlio que o queriam na cadeia para servir de exemplo.

José Pereira teve os seus bens de volta e voltou ao seio da família graças ao Supremo Tribunal Federal, que podia mais do que Getúlio e sua cambada. Foi graças a uma decisão do STF que os usurpadores das posses do coronel foram obrigados a devolver o que roubaram. E por causa da sentença dos ministros, acabou-se a perseguição a ele aos seus.

O Supremo sempre foi o guardião da Constituição. Dele sai a última palavra sobre o que é pra ser e o que não é pra ser. De sua decisão só cabe recurso a Jesus Cristo.

Por isso não devemos perder a fé no nosso Supremo. Temos que acreditar nele até que nos provem o contrário, ou seja, que nos provem que o Supremo não é mais Supremo, apequenou-se, acocorou-se e se submeteu aos caprichos de algum ditador.

Porque, se não for assim, o melhor é juntar os panos de bunda e ir embora para algum lugar distante que não fale a nossa língua.

E nós amamos a nossa casa, o nosso país.

Sair daqui é como rasgar o coração com uma faca de dois cortes e deixa-lo sangrar até a última gota.

Vamos acreditar que o Supremo não se acovarda diante de nada. Vamos acreditar que o Supremo continua sendo aquele Tribunal que fez justiça a José Pereira Lima, o guerrilheiro de Princesa que desafiou o Governo de João Pessoa e o enfrentou em campo de batalha para não entregar de bandeija a dignidade do povo sertanejo.

Se, porém, ao final vier a decepção, que cada um procure seu beco, seu rumo, seu destino e deixe o que restou desse país aos porcos.

4 Comentário On É preciso acreditar

  • O supremo está sob a MANDANÇA DE UM CABO E UM SOLDADO.

    Quem disse foi um dos filhos do bozo.

  • A FÉ É ISSO: ACREDITAR NO QUE NÃO CONSEGUIMOS VER.

    ACREDITAR ATÉ NO QUE JULGAMOS IMPOSSÍVEL.

    SEMPRE EXISTE A ESPERANÇA!

    OS RATOS QUE FORAM PARIDOS, NÃO CONSEGUIRÃO SE TRANSFIGURAR EM LEÕES.

  • É FAKE…. É FAKE!

    AS FOTOS QUE RONDAM NAS REDES SOCIAIS E QUE MOSTRAM MULTIDÕES NAS MANIFESTAÇÕES
    DO ÚLRIMO DIA 30 (DOMINGO PASSADO) , FORAM VERIFICADAS PELA AGÊNCIA LUPA.

    #Verificamos: Fotos de manifestações lotadas não são de ato pró-governo de 30 de junho
    Agência Lupa – Yahoo Notícias2 de julho de 2019

    por Plínio Lopes

    Circulam pelas redes sociais duas fotografias de multidões que estão sendo atribuídas às manifestações que ocorreram em diversas cidades em defesa de Sergio Moro, da Operação Lava Jato e do governo de Jair Bolsonaro. Por meio do projeto de verificação de notícias, usuários do Facebook solicitaram que esse material fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação da Lupa:

    “Como não se emocionar com esses Verdadeiros brasileiros que amam o Brasil e que saem às ruas para defender Moro e Bolsonaro contra fraudes e FAKE NEWS”
    Legenda da fotografia que, até as 20h do dia 01 de julho de 2019, tinha mais de 900 compartilhamentos no Facebook

    FALSO

    A imagem analisada pela Lupa é antiga e não foi registrada durante as manifestações do dia 30 de junho de 2019. A fotografia, que mostra a ponte que liga as cidades de Vitória e Vila Velha, no Espírito Santo, foi publicada pela primeira vez por um perfil no Twitter no dia 21 de outubro de 2018 – ou seja, é impossível que ela seja da manifestação de 2019.

    Pela data da publicação original, é provável que a fotografia retrate uma manifestação a favor de Jair Bolsonaro que aconteceu uma semana antes do segundo turno das eleições de 2018.

    “Av Paulista 👏👏👏🇧🇷🇧🇷🇧🇷 hoje!”
    Legenda da fotografia que, até as 20h do dia 01 de julho de 2019, tinha mais de 1.200 compartilhamentos no Facebook

    FALSO

    A imagem analisada pela Lupa é antiga e não foi registrada nas manifestações do dia 30 de junho de 2019. É possível encontrar réplicas da fotografia na internet desde o dia 13 de março de 2016. Ela mostra os protestos que pediam o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT).

    O pato amarelo inflável que aparece na parte inferior da imagem não é mais utilizado pela Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo) – no lugar, a entidade colocou um sapo verde inflável. Ou seja, não é possível que o ‘pato’ apareça em uma fotografia atual.

    Nota: esta reportagem faz parte do projeto de verificação de notícias no Facebook. Dúvidas sobre o projeto? Entre em contato direto com o Facebook

  • Depois das revelações de Glen, sem que nada seja feito pelo supremo, infelizmente chegamos a uma triste conclusão: Justiça no país chegou ao seu fim. Ver, ouvir, comprovar um juiz mancomunado com o orgão da promotoria para condenar um paciente significa a justiça chegou ao seu fim, e salve-se quem puder. Esperar o contrário é, no mínimo, ingenuidade, prá não dizer outra coisa seu Tião

Deixe uma resposta:

Seu endereço de e-mail não será mostrado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Sliding Sidebar

Sobre Tião Lucena

Sobre Tião Lucena

Tião Lucena, nascido e criado no Sertão, é jornalista desde 1975, tendo começado em A União como repórter e trabalhado em O Norte, no Correio da Paraíba, no Jornal O Momento e no jornal de Agá.

Social Profiles

teste