Luiz Otávio faz falta

Fiz rádio ao lado de Luiz Otávio Amorim, de Antonio Malvino, de Sílvio Carlos , de Ivan de Oliveira, de Cardivando e de outras figuras lendárias da radiofonia paraibana. Desses citados, Luiz Otávio foi o mais informal. Inaugurou um estilo só dele, através do qual chamava para si a responsabilidade de defender uma bandeira na qual acreditava. E ninguém o demovia dessa guerra.

Havia, porém, respeito, primeiro ao público, depois aos entrevistados e por último aos colegas de trabalho.

Luiz Otávio morreu, Ivan de Oliveira idem, parece que Cardivando está sem rádio, Silvio Carlos trocou os microfones por um emprego federal, de modo que, daqueles, só resta Malvino, dando um banho de ética e profissionalismo numa rádio sem muita audiência aberta na cidade pelo multimídia Ruy Dantas.

O Correio Debate inventado e solidificado por Luiz Otávio passou por muitas mãos. Os meninos do sertão substituiram o velho Lula depois da sua morte. Passou por lá Fabiano Gomes, parece que Giovani Meireles deu sua canja e ainda houve uma experiência desastrada e desastrosa com umas moças que não tinham a menor intimidade com um microfone.

Hoje o Correio Debate está entregue a Nilvan Ferreira, que foi trazido para a Capital por Cássio Cunha Lima para fazer dupla com Fabiano Gomes na rádio de João Gregório.

Nilvan é um bom apresentador, mas ultimamente, depois que botaram na cabeça dele que ele poderá ser candidato a prefeito de João Pessoa, tem transformado o programa num palanque eleitoreiro, através do qual destrata, desrespeita, esculhamba e esculacha pessoas que considera suas adversárias.

Sua vítima preferida, ultimamente, é o ex-governador Ricardo Coutinho.

Chama Ricardo para a briga, diz cobras e lagartos com o ex, até agora só não o chamou de santo, mas do resto chamou, tudo isso sob o olhar complacente e cúmplice do acadêmico Roberto Cavalcante.

As agressões são tantas e amundiçadas que as pessoas estão mudando de sintonia, correndo atrás de outras opções.

Nilvan faz tudo isso tentando ver se Ricardo lhe concede uma grama de atenção.

Mas Ricardo nem  dá cartaz.

4 Comentário On Luiz Otávio faz falta

  • EITA Tião,
    Tem uns vídeos circulando nós grupos de política no whatsapp um depoimento de um dos ouvidos na operação Xeque Mate dizendo poucas e boas desse paladino de nome Nilvan Ferreira, o homem que enganou a sociedade pessoense vendendo gato por lebre, ou seja roupas de MARCAS FAMOSAS, chikes, tipo umas que tem uma lagartixa grande, outra que tem um cara brincando com uma estrovenga, outra montado num jegue e por aí vai, fora os impostos sonegados ao fisco estadual e federal, um SANTO,!!!

  • Basto, minha opinião é que a Rádio Sanhauá quebrou, faliu. Atolada em dívidas, Sem audiência, sem anunciantes, sem profissionais capazes de fazer opinião, a Rádio vinha ultimamente sobrevivendo com vendas de horários à Igrejas Evangélicas. Fechou as portas. MORREU !!!

  • Francisco Pires Rodrigues

    Bom dia.lucena muito bom. Pires

  • Por falar em Rádio Sanhauá, eu só me lembro do “ermitão” da Torre dizendo assim: “Tu cai daí” . Realmente, CAIU !!!

Deixe uma resposta:

Seu endereço de e-mail não será mostrado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Sliding Sidebar

Sobre Tião Lucena

Sobre Tião Lucena

Tião Lucena, nascido e criado no Sertão, é jornalista desde 1975, tendo começado em A União como repórter e trabalhado em O Norte, no Correio da Paraíba, no Jornal O Momento e no jornal de Agá.

Social Profiles

teste