Matou-me, seu Belo Maia!” | Blog do Tião Lucena

Matou-me, seu Belo Maia!”

Belo Maia estava perdendo o sono com o bicho que invadia diariamente seu partido de cana . Cana Piojota, da boa, grossa, mole e doce feito mel, famosa na redondeza e orgulho do seu dono, um partidão que cobria toda a extensão do Maia e se estendia mundo afora pelas terras da Laje de Fora e Laje de Dentro. Tudo dele, tudo verde, um tapete de encher os olhos.
Mas um bicho apareceu para atrapalhar a alegria de Belo Maia.
Os buracos no meio do canavial eram vistos de longe, tão grandes eram. E surgiam de repente, da noite para o dia, numa velocidade nunca vista.
Contratou homens para botar tocaias, chamou o destacamento policial para vigiar mediante um pagamento extra, mas de nada adiantava. O misterioso invasor aparecia do nada e chupava a cana de Seu Belo, deixando o chão cheio de bagaços e de misteriosos rastros.
Decidiu ele mesmo botar sentido no partido de cana. Os olhos do dono poderiam ver o que os olhos contratados não viam ou não queriam espiar.
Carregou o bacamarte com chumbo grosso, pregos, rolimãs, sal de churrasco comprado no armazém de Sebastião Medeiros e uma baforada de Detefon pra acabar de matar o intruso, botou a arma no ombro e se embrenhou no partido de cana disposto a só sair de lá com o bicho chupão puxado pelo rabo.
O dia corria, o sol se posicionava no meio do céu, o gavião botava o olho comprido no calango preguiçoso que dormia no lajedo ali adiante, e Belo impassível, o olho grudado nas canas e o dedo alisando o gatilho, um silêncio de cemitério dominando a paisagem, até o vento se escondendo sem querer mexer nas palhas .
De repente, o ruído de mato pisado e de cana arrancada. De lá do seu canto Belo escutou o chupado, um chupado grande, com gosto de quem chupa gostando. E as canas caindo.
Apontou o bacamarte na direção da zoada e o eco do disparo se ouviu no Alto dos Bezerra, reproduziu-se na Várzea, foi bater em Manaíra e morreu nas quebradas do Piancó. Foi o tiro e um grito, um grito de dor e desespero:

-Matou-me Seu Belo Maia!

-E é pra matar mesmo, seu cabra!”, respondeu Seu Belo.
O dono do grito desabou na carreira, mas pela silhueta deu para ver que se tratava de Mané Padeiro, aquele que a partir do tiro do bacamarte de Seu Belo passou a ser chamado de Mané Guará.

Deixe uma resposta:

Seu endereço de e-mail não será mostrado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.