O FIM DA INOCÊNCIA

A Rua da Lapa era um mistério para o menino que ainda não conhecera mulher. Entrara nela pela primeira vez e a visão das mulheres sentadas com as coxas à mostra, causaram-lhe vertigens. As mulheres notaram e fizeram troça. Chamaram o rapaz para uns agrados e ele correu.

Coisa parecida lhe acontecera semanas antes, no cinema. O banco comprido do cinema o aproximara das pernas de Marina, a morena mais bonita do lugar. E Marina, caridosa, permitiu que ele colocasse a mão na sua coxa. O filme inteiro ali, a mão na coxa, o olho na tela e o coração pipocando.

Seguiu-se uma semana inteira de delírios na solidão dos matos.

O velho pai notou o amarelão, a magreza, a falta de apetite, a moleza do corpo e levou-o aos cuidados do médico amigo, Dr. Severiano.

-Miguel, arruma logo uma mulher pra tirar o selo desse menino, senão ele se acaba na punheta!”.

E não receitou nenhum remédio de farmácia.

Agora ele estava a correr das mulheres que se ofereciam para tirar o seu selo, a sua virgindade.

Timidez é coisa que só se acaba depois da primeira experiência.

Os meninos eram inocentes nos ermos do sertão.

Eles, quando muito, se atreviam a namorar as jumentas do lugar.

Estas aceitavam o assédio e não reclamavam.

Se bem que, de vez em quando, retribuíssem os carinhos com um potente coice.

Até que aconteceu o milagre.

Ritinha chorava as saudades de Zé Birrim. E, na impossibilidade de ter o amado alvo de suas lágrimas, contentou-se com o cunhado.

E tirou dele o que havia de timidez e inocência.

Ensinou-lhe tudo. Inclusive o pecado.

E quando desfalecia de gozo nos seus braços, gritava sempre, revirando os olhos:

-Cadê tu, meu Birrim?

Deixe uma resposta:

Seu endereço de e-mail não será mostrado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Sliding Sidebar

Sobre Tião Lucena

Sobre Tião Lucena

Tião Lucena, nascido e criado no Sertão, é jornalista desde 1975, tendo começado em A União como repórter e trabalhado em O Norte, no Correio da Paraíba, no Jornal O Momento e no jornal de Agá.

Social Profiles