Operação Famintos: empresa ‘fantasma’ teria recebido R$ 18 milhões da PMCG sem ter um único funcionário e sede

Sendo pauta principal dos meios de comunicação da Paraíba, desde ontem (24), os detalhes da ‘Operação Famintos’, da Polícia Federal na Paraíba, que investiga fraudes em licitações e contratações na cidade de Campina Grande, nos anos de 2013 até 2019, com pagamentos vinculados a verbas do PNAE – Programa Nacional de Alimentação Escolar, para compra de merenda escolar, ainda repercute no estado, com a prisão que deve ocorrer nesta quinta-feira (25), de Iolanda Barbosa que é secretária de educação de Campina e ex-cunhada do prefeito Romero Rodrigues (PSD). Um detalhe que chama a atenção nos 14 mandados de prisão temporária pela justiça diz respeito a empresa DELMIRA FELICIANO GOMES, que apesar de ter ganho R$ 18 milhões da PMCG, não tem um único funcionário, nem local de funcionamento.

Segundo a decisão do Juiz Federal da 4ª VF/SJPB Vinícius Costa Vidor, a partir das informações obtidas quando da quebra de sigilo fiscal, por exemplo, verificou-se que a empresa DELMIRA FELICIANO GOMES movimentou mais de 18 (dezoito) milhões de reais em vendas de mercadorias entre 2013 e 2016, mas não detinha nenhum empregado registrado nesse mesmo período nem funcionava em nenhum estabelecimento comercial.

De acordo com a decisão, os relatórios de fiscalização elaborados CGU foram incisivos ao apontar que existem indícios veementes de combinação de preços, superfaturamento e cobrança por serviços não prestados. Apenas o montante de dano ao patrimônio público verificado pela CGU por vícios na execução dos contratos fraudados já é superior a dois milhões de reais (Nota Técnica n. 1073/2019). Quatorze mandados de prisão foram expedidos.

CONFIRA A LISTA DE MANDADOS DE PRISÃO

Iolanda Barbosa, secretária de Educação, Arnóbio Joaquim Domingos da Silva, Flávio Souza Maia, Frederico de Brito Lira,  Gabriella Coutinho, Herder Casulo de Araújo, José Lúcildo, Josivan Silva, Kátia Suênia, Josivan Silva, Luiz Carlos Ferreira Brito Lira, Marco Querino da Silva, Renato Faustino da Silva, Rosildo de Lima Silva, e  Severino Roberto Maia Miranda.

3 Comentário On Operação Famintos: empresa ‘fantasma’ teria recebido R$ 18 milhões da PMCG sem ter um único funcionário e sede

Deixe uma resposta:

Seu endereço de e-mail não será mostrado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Sliding Sidebar

Sobre Tião Lucena

Sobre Tião Lucena

Tião Lucena, nascido e criado no Sertão, é jornalista desde 1975, tendo começado em A União como repórter e trabalhado em O Norte, no Correio da Paraíba, no Jornal O Momento e no jornal de Agá.

Social Profiles

teste