Porque hoje é sábado

1 – Meus amigos, notaram como a cidade de João Pessoa está suja? As calçadas cheias de lixo, as ruas lotadas pelo lixo, os tambores de lixo abarrotados, a catinga invadindo tudo e as narinas sensíveis do povo pedindo clemência, são coisas que a gente vê.

2 – Estarrecedor o estado de abandono em que se encontra o Trauminha de Mangabeira. Quem viu os vídeos postados aqui no Blog e noutros portais do Estado teve ânsias de vômito diante de tanta sujeira. Os pacientes ficam deitados em camas sem cobertores, o calor sufocante é amenizado com o uso de ventiladores levados pelos próprios doentes, falta remédio, falta seringa, falta tudo e mais um pouco.

3 – Falar em Trauminha, ontem foi o aniversário da dupla Luciano e Lucélio. Li no Facebook uma declaração efusiva de uma auxiliar da Prefeitura, tecendo loas aos dois meninos que sairam do sertão para vencer na Capital. Quase chorei de emoção ao me deparar com tão eloquente poema.

4 – A cantora Ivete Sangalo faz show hoje num resort em Pernambuco. Informam os portais que ela também fez show ontem na Bahia. O menino só adoeceu para o show de Campina Grande e isso é muito estranho. O que terá acontecido?

5 – E os dispensados de última hora? Eliana, Valdonys e por aí vai estavam contratados e na véspera de começar o Maior São João do Mundo receberam o bilhete azul, pegaram descendo, foram descartados sem mais nem menos. Eles protestaram e prometeram não deixar por isso mesmo.

6 – Esse negócio de Neymar com a modelo já está enjoando. Rapaz, a imprensa brasileira está sem assunto, só pode. Dezenas de coleguinhas ficam em permanente vigília aguardando um suspiro do jogador, um espirro da moça, para jogarem no ar. Que cousa!, como diz o enorme Marcos Pires.

7 – Hoje é sábado e o sábado só é bom se começar pela feira da Torre, onde se come cuscuz, inhame, macaxeira e batata doce com guisado, picado de bode, mocotó de boi, costela ao molho, bife e carne assada, sem dispensar aquele papo quilométrico envolvendo guerreiros como Cristiano Machado, Edson Werber, a turma de Princesa, Sebastião Gerbase e Beto Montenegro.

8 – De paletó e chapéu de couro o senador Alcalumbre caiu no forró em Campina. Pela indumentária até que passou, mas na hora do pinicado, do miudinho, do dois pra lá, dois pra cá, passou raspando, quase é reprovado.

9 – No próximo sábado, dia 14, o São João antecipado de Princesa promete. O prefeito Ricardo Pereira, o mesmo que resgatou Princesa das garras dos agiotas, colocou os salários dos servidores em dia, quitou a dívida do Instituto de Previdência e está calçando as ruas dos pobres, contratou Eduardo Costa e o rapaz vai lotar a Praça da Estrela com sua música e sua alegria.

10 – Claro, os incomodados dão a gota serena e ficam “pomooorrrteee”. Mas vão ter que engolir Ricardo Pereira até o fim, ou seja, até o fim do seu segundo mandato.

11 – E agora lá se vão meus abraços sabadais para Ricardo Coutinho, Amanda Rodrigues, Fátima Ventura, Mário Gomes Filho, Herbert Fitipaldi, Diego Lima, Fernando Caldeira, Fábio Bernardo, Fábio Targino, Petronio Torres, Daniel Gaucho, Edilane Ferreira, Zé Gotinha, Raquel Ingrid,Leca e Sandra Coutinho, Flavio Lucio, Fernando Caldeira, Marcos Maivado Marinho e Pedro Marinho Macedo.

 

 

12 – A funcionária do Governo do Estado foi cadastrar os agricultores de Lagoa de São João, em Princesa. Chegou na casa de João de Neco e começou seu trabalho de pergunta e resposta sentada na única cadeira existente na casa. João, em vez de sentar, acocorou-se diante da funcionária pública e, como a sua calça estava rasgada, deixou os “possuídos” saindo pelo buraco.

-Pai, se ajeite que seus testículos estão de fora – avisou o buchudinho caçula.

A funcionária, admirada,exclamou:

-Parabéns, seu João. Mesmo com fome o senhor ensinou seu filho a falar corretamente.”

João se explicou:

-Foi precisão, dona. Se eu dissesse que o nome disso é ovo ele arrancava para comer estralado.”

 

 

 

4 Comentário On Porque hoje é sábado

  • Meu caro Tião, obrigado pela lembrança deste seu velho amigo e admirador, devolvo o abraço.

  • O caso Neymar está desviando as atenções e deixando espaço para que
    passem quase desapercebidas as sacanagens que estão sendo praticadas,
    dia e noite, noite e dia, contra o país. A mídia conservadora adorando, e o
    !senhor” mercado mais ainda. Mesmo por que o enredo da trama está mais
    enriquecido do que o das novelas: arrombamento fictício, roubo com digitais
    dos próprios moradores, personagem milionário, coadjuvantes espertalhões,
    sexo , sadismo, masoquismo, e por aí vai. É o “circo” entorpecendo as mentes.

    Talvez a realidade bata na cara de muita gente com a greve geral do próximo
    dia 14. Vai ser difícil passar desapercebida!

  • LE MONDE: BRASIL COM BOLSONARO ESTÁ SOB RISCO DE “IDIOCRACIA”
    Por Nocaute 7 de junho de 2019

    O jornal francês se refere ao “caos que o presidente mantém, alimentando-se de controvérsias triviais e vulgares nas redes sociais, castigando a cultura, as ciências sociais e humanas, cortando orçamentos universitários e mantendo uma obsessão marcante com os assuntos fálicos, em detrimento do progresso de reformas cruciais”.

    O jornal francês Le Monde publicou artigo, nesta sexta-feira (7), com o título de “O Brasil enfrenta o risco da ‘idiocracia’”, no qual comenta a polêmica que causou o artigo “O Bolsonaro é inteligente?”, de Hélio Schwartsman, publicado no jornal Folha de S.Paulo.

    O Le Monde lembra ainda o episódio de Bolsonaro ter destacado, junto a um fã japonês, que em casa, “tudo é pequeno”, fazendo um sinal explícito com a mão.

    Logo a seguir, é citado o caso de quando o presidente surpreendeu o país ao divulgar filme com o “golden shower”, pensando em denunciar a depravação do carnaval de rua.

    “Recentemente, o presidente brasileiro também citou a higiene do pênis como problema de saúde pública, para evitar, segundo ele, quase mil amputações do órgão sexual masculino”, completa o periódico francês.

    “Por fim”, o jornal afirma, “o país fica atordoado com os repetidos ataques de seus filhos, Flávio, Eduardo ou Carlos, todos políticos, aos militares presentes no governo, incluindo o vice-presidente, general Hamilton Mourão. Diante de uma oposição inexistente, o Presidente Bolsonaro está, de fato, alimentando sua própria oposição, dando a impressão de explodir seu próprio mandato”.

  • FUZIL, TRÂNSITO E EMPREGO ZERO.
    Cleber Lourenço (Revista Forum)

    Na verdade, para os mais antenados não é nenhuma novidade o desemprego não ser uma prioridade no atual governo.

    Desde o dia 1º de janeiro, as declarações do presidente vão entre autorização para assassinato, barraco em rede social e um vídeo de um homem urinando em outro.

    Mas nada contundente sobre desemprego, alta nos preços e retração violenta do poder de compra dos brasileiros. O que, repito, não era nenhum segredo. O motivo? Simples! Já conferiu o plano de governo da campanha do presidente eleito? Se não, leia aqui.
    http://divulgacandcontas.tse.jus.br/candidaturas/oficial/2018/BR/BR/2022802018/280000614517/proposta_1534284632231.pdf

    Um verdadeiro prelúdio da tragédia! O documento, com um pouco menos de 100 páginas, é notável pela pobreza de dados técnicos e ações concretas para “endireitar o Brasil” e que pode ser considerado uma “cartinha de Papai Noel”, cheia de “boas” intenções, mas sem encarar os problemas do país, de fato. Programa de obras públicas? Investimento na indústria e infraestrutura? Não! O negócio é liberar o assassinato no campo!

    Não há dúvidas de que Bolsonaro segue sua proposta de governo que, em resumo, é: Querer muitas coisas, mas não saber por onde começar.

    É muito cobrar a realização de grandes coisas em 100 dias de governo? Sim! Até injusto, mas, por outro lado, não é injusto exigir que o governo tenha algum direcionamento, alguma linha para seguir e isso ainda sequer existe.

    É claro, com exceção ao foco ostensivo na reforma da Previdência, o que, na verdade, também demorou para vir, não há mais nada no horizonte do governo, além de perseguir grupos sociais, professores e propagandas.

    Pergunto-me, também, o que acontecerá depois da aprovação da reforma ou caso ela vire água. Existe vida após a reforma da Previdência? Aparentemente, nada.

    É entre cotoveladas e gritaria que um grupo cada vez maior de brasileiros segue desprezado: os desempregados. O presidente já afirmou que não acredita nos números do IBGE, assim como sequer debateu o assunto em alguma de suas lives semanais. Ao invés disso, atacou instituições, políticos, jornalistas e… Lula!

    Enquanto o desemprego bate no teto… O governo acredita que a preocupação do cidadão brasileiro neste momento é o design das notas de 50 e 100 reais, enquanto tenta permitir que crianças andem por aí sem cadeirinhas, aumenta o número de pontos na carteira e outros absurdos. Além disso, ainda temos as armas como carro-chefe. Tudo isso enquanto Bolsonaro continua sua sanha pelo fim da reserva de Tamoios em uma região dominada por milicianos, informação dada neste blog semana passada.

    Mês passado ele foi em uma feira de agronegócio (uma das maiores do mundo) e defendeu o quê? A legalização do assassinato no campo. Nada de investimento, modernização ou programas de obras públicas no campo, apenas a barbaridade como uma espécie de mercador da morte.

    Isso quando não está provocando os militares ou louvando Olavo de Carvalho. Nesse ritmo, dou mais seis meses para que a segurança alimentar dos brasileiros passe a ser um ponto crítico também.

    O governo ideológico de Jair Bolsonaro não consegue lidar com problemas fora da esfera ideológica. E a coisa se estende para outras áreas. A região Sudeste está prestes a deflagrar um surto de dengue e chikungunya, enquanto a família presidencial entra em guerra com o vice-presidente. Surreal!

    Isso ainda acabará por matar muitas pessoas!

    Enquanto isso, 13 milhões de brasileiros que não existem e não merecem a devida importância para o presidente, aos poucos mergulham na informalidade, agravando ainda mais a crise na Previdência.

    Já nos foi prometido que a reforma trabalhista traria um mar de empregos. Falhou miseravelmente e apenas contribui para a precarização das relações trabalhistas. Agora, a desculpa é outra.

    Um verdadeiro jogo de batata quente, onde apenas os trabalhadores queimam as mãos, e o governo ainda lava as suas mãos. Durante sua viagem para Dallas, Bolsonaro disse: “Não vai ter emprego para todos”. Lavou as mãos e ainda disse que o desemprego no Brasil é culpa do despreparo dos trabalhadores. Uma forma de dizer aos desempregados: “se virem aí”, cheio de sofisma.

    E como a cereja do bolo, ainda temos a segurança pública abandonada e, apesar de o governo negar diversas vezes, o ministro Onyx Lorenzoni deixou claro que a gestão Bolsonaro repassou a responsabilidade do Estado para as mãos dos cidadão, afirmando que o armamentismo civil seria uma espécie de diretriz dos direitos humanos.

    No saldo geral, poderemos ter armas liberadas, trânsito caótico e um exército de desempregados… Já chamam o Brasil de futuro Mad Max.

    Por fim, desafio você leitor a encontrar alguma declaração contundente, plano ou sinal de que resolver o desemprego seja um das prioridades do governo. Eu procurei e sei que não há. E vocês?

Deixe uma resposta:

Seu endereço de e-mail não será mostrado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Sliding Sidebar

Sobre Tião Lucena

Sobre Tião Lucena

Tião Lucena, nascido e criado no Sertão, é jornalista desde 1975, tendo começado em A União como repórter e trabalhado em O Norte, no Correio da Paraíba, no Jornal O Momento e no jornal de Agá.

Social Profiles

teste