Porque hoje é sábado

1 -Homi, seu menino, a coisa está muito complicada pelas bandas de cá. Imagine o senhor que o nosso ínclito presidente deu agora para defender o trabalho infantil, mas nunca deixou os filhos dele trabalharem. Dar pitaco na casa dos outros é fácil, o dificil é por em prática o pitaco da casa alheia na casa do pitaqueiro.

2 – Agora o Moro arrumou sarna pra se coçar. A Veja é cruel com os seus desafetos. E resolveu entrar na briga do Interpecpt. Com a chegada de Veja, agora são três gigantes destrinchando a vida do ministro. Sem contar os miúdos que também se metem e fazem os seus estragos. Conheço gente que está sem dedos, só o coió, só os cotôcos, de tanto aperreio.

3 – Meus amigos, que cousa! Esse depoimento do delator de Cabedelo é muito cabeludo demais. Se bem que certas coisas o povo já falava a boca miúda, na base do cochicho, do sopro no pé da urêia. Bem que finada Clotilde de Bilica dizia: “Um dia a casa cai”.

4 – Imagino como vai ser a roda de conversa daqui a pouco no Barraco do Elias, ali na Feira da Torre. Pena que Paulo Mariano não estará lá para comandar a fofoca. Mas Tadeu Fonfon, Emanuel, Marçal de Batista, Luciano Arroz, Cristiano, Gerbasi e outros que a memória teima em não lembrar, vão sentar ao redor daquela mesa encarnada e meter a peia.

5 – As agulhadas voltaram ao São João de Campina? Mas rapaz, que povo sem criatividade! Melhor seria distribuir beijos juninos com sabor de canjica, de pamonha e de milho verde assado. Garanto que a repercussão seria bem maior.

6O PB Agora, no maior suspense, informa que tem em seu poder áudios que comprometem prefeito e vereadores paraibanos em negociação de propinas. Não revela nomes porque a coisa ainda está sendo checada com muito rigor, para não haver desmentidos. Aí eu digo um “VIUGE!” bem grande.

7 – Liberar o responsável pelo acidente da Epitácio até entendo. Ele livrou o flagrante e a lei abre brechas para tanto. Agora, permitir que continue dirigindo é uma temeridade. Imagine, amigo, o que acontecerá se ele resolver repetir a dose.

8 – Esse negócio das rachadinhas na Câmara Municipal do Conde deveria receber outra denominação. Rachadinha lembra aquilo e aquilo é muito erótico.

9 – E esse negócio de servidores fantasmas no gabinete do prefeito de Campina Grande? Não seria melhor relotá-los no cemitério? Fica a dica.

10 – Hoje, dia de feira, dia de Toinho Vicente passar em revista a tropa do Mercado Central, de Josinato tomar uma com picado no Valentina, de Bibiu meu irmão visitar a barraca do bode em Mangabeira e da turma da manzuá fazer roda de papuda no mercado do Geisel.

11 – E agora lá se vão meus abraços sabadais para Adriano Galdino, Agamenon Vieira, Agnelo Muniz Fernandes, Aldo Araújo, Alex Filho, Alessio Trindade, Alexandre Moca, Aline Guedes,Aluizio Bezerra, Ana Camboim, Antonio Arruda, Antonio David, Antonio Lucena, Aristeu Chaves, Armando Mariz, Baby Neves, Bessanger Abrantes, Bigu de Jacumã e Bruno Farias.

12 – Seu Janjão morava no Roger, aqui em João Pessoa.Era comerciante, viúvo e tinha um chamego com uma balzaquiana residente no Cristo Redentor. Uma vez por semana apanhava ela de carro, levava para um motel em Cabedelo e, ao se despedir, a “presenteava”com 20 reais. Na última vez, quando ainda se dirigiam para o motel, a namorada ponderou:

-Seu Janjão, como o senhor sabe a gasolina subiu e por isso vou aumentar meu “presente”para 50 reais.

Seu Janjão não contou conversa: fez meia volta no carro, acelerou em direção ao Cristo e avisou para a amada:

-Sendo assim vou procurar um chibiu a álcool”.

5 Comentário On Porque hoje é sábado

  • Chibiu alcoólatra! Kkkkk

  • 1.O Bolsonaro disse que trabalhou qunado era criança, e que isso não o prejudicou em nada.
    Só que, segundo a mídia, o irmão dele deu uma entrevista e disse que é mentira.

    2.E ao defender o trabalho infantil, o Bolsonaro admite que entendeu bulufas do Tratado
    União Europeia/Mercosul.
    Uma das cláusulas se refere exatamente à sua proibição.
    Sem contar que a liberação adoidada de agrotóxicos no seu governo, já é mais uma agravante.
    Não esquecendo de mencionar a questão da Amazônia;

    3. Os radares não seriam tirados das estradas? Só que não!
    O Bolsonaro fez acordo para implantar radar em 2.278 pontos de rodovias federais.
    A retirada dos radares era uma medida errada, sim.
    Mas o que será que pesou mais na decisão: a sensatez ou o fato do fabricante do
    equipamento ser do Paraná e amigo de certo ministro?

  • “MITO” A MIL REAIS.

    Por Fernando Brito.

    Ainda bem que os adoradores de Jair Bolsonaro têm dinheiro.

    Porque a sua mobilização para gritar “Mito”no Maracanã, no domingo, agora que seu chefe lançou o desafio do “vamos ver com quem o povo está” no estádio, anunciando que irá a campo para testar sua popularidade, vai custar caro.

    Os ingressos, você vê aí em cima, estão para lá de mil reais – tem uns, mixurucas, atrás do gol, o que dá para ver um dos tempo, só, a mais de R$ 900 .

    Portanto, povo é o que não vai ter por lá, pois o povo, se estivesse com mil reais para gastar, estaria comprando o essencial que cada vez mais lhe falta.

    Ainda assim, “seu” Jair, é bom tomar cuidado com sua obsessão em virar um Garrastazu Médici do século 21.

    Mesmo a mil reais, Maracanã pode ficar parecido com a Avenida Atlântica, mas futebol é uma caixinha de surpresas.

    É o tipo do jogo perigoso: se “ganhar”, não ganha nada, porque povo de mil reais o ingresso não é povo que vive o mês com mil reais, este sim uma multidão.

    Mas se perder, fica feia a coisa, pois vai estar jogando em casa, com toda a sua torcida.

    Rodrigo Maia, que de bobo não tem nada, já rebarbou seu convite.

    Ah, e por favor, poupe-nos de gracinhas adolescentes com o nome do adversário, feito aquela do japonês.

  • DOIS MIL ÁUDIOS, MORO? TODOS FORJADOS?

    Por Fernando Brito · 05/07/2019

    Ricardo Noblat, da Veja, cujos jornalistas tiveram acesso ao material do The Intercept, fala, no Twitter, que há nada menos de 2 mil áudios no acervo de mensagens trocadas entre Sérgio Moro e Deltan Dallagnol e entre os procuradores da Força Tarefa da Lava Jato .

    Não dá para imaginar tudo o que possam conter, mas se um por cento tiver conteúdo explosivo serão 20 escândalos.

    E menos dá para imaginar o que virá daí.

    Mas dá para ter certeza de uma coisa: de que cai o último argumento usado por Moro: a possível falsificação do conteúdo. Os áudios, independente da entrega dos originais, podem ser periciados a partir de cópias em arquivo digital, inclusive sobre possíveis edições e montagens.

    Noblat diz ainda que mais coisa vem na Folha, no final de semana.

  • Num programa hoje na rádio Princesa Isabel FM, o atual vereador e ex-secretário de Infraestrutura Valmir Pereira, que é um dos indicados num processo que apura o desvio de quase 2 milhões das obras de três PSF’s e uma unidade do CER, no governo do ex-prefeito Dominguinhos, foi taxativo ao dizer que “quem deveria estar processado ou preso”, tá aí livre, pra cima e pra baixo. Uma hora depois, na mesma rádio, em outro programa, Dominguinhos disse não ter nada a ver com todo que aconteceu, se referindo as denúncias apuradas pela polícia Federal que prendeu o staff do ex-gestor em 2016. Será?

Deixe uma resposta:

Seu endereço de e-mail não será mostrado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Sliding Sidebar

Sobre Tião Lucena

Sobre Tião Lucena

Tião Lucena, nascido e criado no Sertão, é jornalista desde 1975, tendo começado em A União como repórter e trabalhado em O Norte, no Correio da Paraíba, no Jornal O Momento e no jornal de Agá.

Social Profiles

teste