Quando eu fui coroinha

Já fui coroinha, mas no meu tempo os padres se comportavam. Se duvidam, perguntem a Edvaldo Rosas, igualmente coroinha e, consequentemente, contemporâneo do Tião Bonitão que vos fala.

No tempo da gente o padre celebrava “discostas” para os fiéis e só falava em latim. Se dizia alguma ingrisia pecadora durante o culto, não dava para saber. Não entendíamos o idioma, embora respondêssemos a missa na base do decoreba.

Acho que no meu tempo houve apenas um padre que escorregou, mas assim mesmo para a fama. Plantou suas sementes na região e ao morrer deixou uma ruma de filhos.

Esse negócio divulgado ontem pela TV Globo estarrece porque exibe uma promiscuidade incomum até nos antigos cabarés da Maciel Pinheiro. Segundo os que viveram aqueles tempos, nos cabarés habitavam  mulheres respeitáveis, que se davam por dinheiro, mas não perdiam a pose.

Muito diferente desses que foram denunciados pela televisão, homens preparados para salvar almas que esqueceram a lição e partiram para o tudo ou nada, levando consigo a reputação da igreja e a candura de adolescentes imberbes que deles se aproximaram pela fé e deles se afastaram pelo pecado.

Mais uma decepção

6 Comentário On Quando eu fui coroinha

  • Tião, também fui coroinha, no tempo que as crianças (adultos também) pediam a benção aos padres. Fiquei bastante surpreso com essa reportagem, até porque dois desses acusados foo vigários da Paróquia de Mamanguape, e sobre um deles fiz uma matéria elogiosa, de reconhecimento ao seu competente trabalho como administrador daquela paróquia. Lamentável isso, em todos os aspectos

  • NAQUELE TEMPO, JÁ EXISTIA O APITO DE CHAMAR ANJO, O RESTO É CONVERSA MOLE

  • Na minha opinião a grande culpa desses escândalos e da igreja,eu sou evangélico e quando um líder comete um erro desse tipo deveria ser retirado do cargo porém o que acontece e que transferem para outros lugares quer dizer mandam pra outros inocentes serem ludibriados por eles,e falo isso porque na igreja evangélica também funci ona assim não dá certo em um lugar manda pra outro,quando devia era se sentar nos bancos e aprender novamente a ser um cristão verdadeiro,quantas vidas de jovens e adolescentes ainda precisarão ser destruídas para as igrejas tomarem vergonha e afastar de uma vez esses inescrupulosos.

  • Infelizmente mais na igreja católica os casos são mais frequentes. Às vezes ocorre apenas a transferência dos padres de um lugar pra outro. E as vítimas como ficam?

    Tem muitos comedores travestidos de líderes religiosos. Isso vale para as várias crenças!

  • Tião de Jesús, tu foste coroinha e escapaste ileso ?

Deixe uma resposta:

Seu endereço de e-mail não será mostrado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Sliding Sidebar

Sobre Tião Lucena

Sobre Tião Lucena

Tião Lucena, nascido e criado no Sertão, é jornalista desde 1975, tendo começado em A União como repórter e trabalhado em O Norte, no Correio da Paraíba, no Jornal O Momento e no jornal de Agá.

Social Profiles

teste