Quando eu me aposentar…

Feliz é meu amigo Aldo Lopes que se aposentou e agora vai se dedicar ao delicioso lazer de escrever. Sua casa no alto de uma serra entre Princesa e Triunfo será a sua inspiração eterna para a criação de textos narrando histórias deliciosas.

Francisco Florêncio já fez o mesmo. Velejou por terras de Europa, mas pendurou o fuzil na alça do passado e retornou ao passado dos seus primeiros passos.

Estou tentado a fazer isso.

Este ano chego aos 68 e tenho muito medo do que vai acontecer a partir do meia nove.

Um sujeito sério como eu, sizudo e beato de igreja, alcançar um meia nove é um perigo por demais perigoso.

O que dirão de mim aqueles que sempre me viram rezando, orando e condenando as permisividades da vida?

Aposentado, não terei medo de julgamentos. Ao aposentado tudo é permitido, até dizer que tem aquilo mole para tapear a platéia.

Vou aguardar dezembro. Se até lá a idéia permanecer, ligarei para meu amigo Iure da PB Prev e pedirei as contas.

Se não, continuarei a sofrer nesse vale de lágrimas, labutando e os amigos gostando, porque assim é a vida e dela a gente só escapa quando morre.

Deixe uma resposta:

Seu endereço de e-mail não será mostrado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Sliding Sidebar

Sobre Tião Lucena

Sobre Tião Lucena

Tião Lucena, nascido e criado no Sertão, é jornalista desde 1975, tendo começado em A União como repórter e trabalhado em O Norte, no Correio da Paraíba, no Jornal O Momento e no jornal de Agá.

Social Profiles

teste