Ricardo lembra que em 2014 anunciaram a sua derrota e no final quem perdeu foi o outro

“Em 2014 me mataram antes de eu morrer e perderam as eleições”, diz RC ao alfinetar confiança da oposição

A história política vivida pelo governador Ricardo Coutinho (PSB), sobretudo de superação de expectativas, é um dos trunfos da disputa eleitoral pela sucessão estadual, de 2014. Coutinho surpreendeu enquanto era desacreditato por parte da classe política, e uma esperança para população.

Segundo Coutinho, o que o diferencia de seus adversários é o desapego.

“Tem um monte de gente na política que só vive se tiver um mandato. Governador aqui, faltando um ano, já pensava o que é que o Estado podia lhe dar para ele continuar na política. Eu não! Eu saí de uma prefeitura com um mandato, modéstia à parte, importante, significativo. Fui fazer uma disputa que poucos aqui dentro teriam coragem. Em 2014 me mataram antes de eu morrer, disseram que eu perderia as eleições, porque a política estava com o outro candidato. Mas o outro esqueceu de combinar com o povo. Eu já tive, no campo de ocupações de espaços, talvez mais do que eu merecesse. Eu fui governador duas vezes, nunca nenhum parente meu foi político, eu continuo sendo um militante, que faz militância social, apesar desse espaço que ocupo hoje”, asseverou.

Já sobre a ausência da vice-governadora Lígia Feliciano (PDT) nas agendas pelo interior do  Estado, Ricardo minimizou, e reforçou o respeito pela companheira de chapa.

“Eu acho que ela deve ter outros afazeres. E é tanta gente que me acompanha que eu fico até sem saber quem estão. Eu gosto muito da pessoa de Lígia, a respeito e acho que ela me respeita também. Mas eu não posso dar um tamanho a essa pergunta, por mais importante que ela seja, porque estou aqui e as coisas estão acontecendo. Eu não posso pegar a agenda de qualquer pessoa e colocar em função da minha, ainda mais de uma pessoa tão importante como é a da vice-governadora”, ressaltou.

Apesar do clima cordial, Ricardo novamente avisou que não admitiria uma mudança no projeto em nove meses, período em que ele teria que se afastar caso decidisse disputar o Senado Federal.

“Eu tenho consciência que o que eu tenho que legar a Paraíba são coisas concretas e que isso não pode ser, sob a minha responsabilidade mudado, e eu me dou a responsabilidade que seja de oito anos. As pessoas votaram em mim, cobraram a mim. Eu promovi as mudanças nesse estado junto com a equipe toda. Eu comandei as mudanças. Eu aguentei muita pressão e muita pancada e muita crítica para poder reafirmar um caminho. Então para mim, eu não posso admitir nenhum tipo de mudança em nove meses, afinal eu é que fui eleito, eu é que comando o projeto. Esse projeto é do PSB e dos partidos aliados. Esse projeto não é de alguém que por ventura pudesse assumir o mandato em abril para poder promover mudanças. Isso está completamente descartado. Não vai haver mudanças dentro do estado da Paraíba. Só haveria alguma possibilidade de eu cumprir uma outra tarefa de militante como candidato ao lado de João Azevêdo, se eu soubesse  que não haveria mudança, se eu tivesse certeza, convicção e sentimento”, arrematou.

 

PB Agora

3 Comentário On Ricardo lembra que em 2014 anunciaram a sua derrota e no final quem perdeu foi o outro

  • Ricardo Coutinho não será candidato a senador por um simples motivo: MEDO. Nas duas eleições que ganhou pra governador, uma foi apoiado por Cássio e na seguinte teve o apoio de Maranhão. Como o Mago é esperto e viu que não terá o apoio de nenhum dos dois nesta eleição, achou melhor dar uma de bom moço e dizer a massa ignara que não tem apego a cargo nenhum. Tudo conversa fiada. Será o primeiro governador na história recente da Paraíba que sai do mandato e não se torna senador por MEDO de encarar uma disputa majoritária. Essa é a verdadeira verdade!!!!!!!

  • Esse cassista fala isso de “medo” de Ricardo, e pq o chefe dele não assume se candidatar. O próprio Cássio disse que não iria se candidatar, é óbvio que está se cagando de medo pq sabe que os paraibanos já viram a cara de canalha dele. Como é que um homem público (me refiro a Ricardo), que já foi vereador, prefeito da capital, governador por duas vezes, e que muito fez pelo Estado ter medo das urnas? Diferente do Sr Cássio que vivia as custas do pai, e só vivia atrás de mandato para ter fórum previlegiado, e por falta nisso, acho que o Sr Cássio só está desistindo pq essa mordomia está prestes a acabar.
    Cássio nunca foi nada… E nada fez pela Paraíba, a não ser enganar seus eleitores, e a Paraíba sempre revelou grandes homens públicos, como Wilson Braga, Mariz, Burity, Vital do Rêgo, Ricardo Coutinho…
    Mas também revelou algumas pragas: Ronaldo, Cássio, Cícero Lucena, Luciano Cartaxo, Rômulo Gouveia, Romero Rodrigues, Raimundo Lira, e demais outros…

Deixe uma resposta:

Seu endereço de e-mail não será mostrado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Sliding Sidebar

Sobre Tião Lucena

Sobre Tião Lucena

Tião Lucena, nascido e criado no Sertão, é jornalista desde 1975, tendo começado em A União como repórter e trabalhado em O Norte, no Correio da Paraíba, no Jornal O Momento e no jornal de Agá.

Social Profiles

teste