Amigos e “amigos”

Na doença e na precisão a gente conhece os amigos. Aqueles amigos de festa não prestam solidariedade a quem não tem nada a dar em troca. Somente os verdadeiros amigos estão com você na hora boa e na hora ruim.

Por que estou dizendo isso?

Muito simples: de repente descobri que meus amigos não enchem um fusca. Eu ia dizer uma Kombi, mas não disse, porque se dissesse eu mesmo me acharia pretencioso.

Tenho exatos os passageiros de um fusca, comigo dentro como motorista.

Mas não me perturbo com isso.

Ruim seria me iludir achando que tinha um trem de amigos.

Posso até tê-los, mas não são amigos, são companheiros, conhecidos, parceiros de copo, centroavantes do elogio fácil e outros quitais.

Os amigos, repito mais uma vez, são aqueles do fusquinha, que me aturam e não encontram defeitos nos meus atos.

Mas não liguem os do trem. Continuarei fingindo que os considero amigos do peito esquerdo, aquele do coração.

1 Comentário On Amigos e “amigos”

Deixe uma resposta:

Seu endereço de e-mail não será mostrado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Sliding Sidebar

Sobre Tião Lucena

Sobre Tião Lucena

Tião Lucena, nascido e criado no Sertão, é jornalista desde 1975, tendo começado em A União como repórter e trabalhado em O Norte, no Correio da Paraíba, no Jornal O Momento e no jornal de Agá.

Social Profiles

teste