Bebianno não aceita “cala boca” oferecido por Bolsonaro e sai atirando: “O presidente é um ingrato, alienado, perturbado da cabeça e nesta segunda-feira o Brasil vai tremer”

Em uma segunda reunião com os participantes da primeira conversa, Bolsonaro disse que resolveu demitir Bebianno argumentando quebra de confiança.

O encontro foi ríspido. Bebianno disse a Bolsonaro que o presidente foi desleal, que se sentia vítima de uma traição e que “um comandante não pode alvejar um soldado pelas costas”.

Bolsonaro desviou o olhar durante a maior parte da conversa e não replicou ao desabafo. Os demais presentes enfatizaram a necessidade de evitar divisões no governo, mas não fizeram alusões a Carlos ou a seus irmãos. A certa altura, Bolsonaro propôs que Bebianno se afastasse do Planalto para assumir um cargo de direção em Itaipu, o que lhe garantiria um alto salário.

Em seguida, deixou a reunião. Foi alcançado no corredor pelo vice Hamilton Mourão, que lhe pediu que agisse com calma para não prolongar a crise vivida opor um governo às voltas com tantos desafios.

À noite, no hotel, Bebianno soube pela TV que Bolsonaro resolveu demiti-lo usando como argumento o vazamento de um áudio em que o presidente censura a audiência em que ministro receberia um emissário da Rede Globo e não pela situação ocorrida com Carlos Bolsonaro.

Por telefone, a uma interlocutor, Bebianno afirmou que vai passar o fim de semana pensando e ameaçou: “Se isso acontecer na segunda, o Brasil vai tremer”. A essa mesma fonte, disse que falou a Bolsonaro que o presidente é um ingrato e que o país inteiro vai ver isso. Ainda de acordo com Bebianno, o líder do Planalto está “alienado, perturbado da cabeça”. Ele resumiu sua situação com uma frase: “Só sei oficialmente do que eu sei oficialmente”.

A crise em torno do ministro ganhou corpo na última quarta-feira, 13. Naquele dia, Carlos Bolsonaro escreveu no Twitter que Gustavo Bebianno mentiu ao dizer ao jornal O Globo que vinha conversando normalmente com Jair Bolsonaro apesar das denúncias publicadas pela Folha de S. Paulo de que o PSL empregou volumes expressivos do fundo partidário – dinheiro público – em candidaturas “laranjas” de mulheres em 2018. Bebianno presidiu o partido durante a campanha eleitoral.

8 Comentário On Bebianno não aceita “cala boca” oferecido por Bolsonaro e sai atirando: “O presidente é um ingrato, alienado, perturbado da cabeça e nesta segunda-feira o Brasil vai tremer”

  • Querozzzzzzzzzzzzz??????????? A ameaça do cabo e do soldado em cima do jeep??????????????? Caixa dois.??????????? Laranjas???? Fantasmas????????? Captação irregular de recursos com candidatura montada irrelevantemente?????? NÃO PERCA O FOCO, BASTIÃO: A INTENÇÃO É SÓ ESSA!!! NADA DE BODE EXPIATÓRIO DISFARÇADO!

  • Edmundo dos Santos Costa

    O ELEMENTO QUE ABANDONA O PAI MORIBUNDO PARA ACOMPANHAR UM PIRADO, BOM SUJEITO NÃO É.

  • Sinceramente , a imprensa adora sensacionlismo, será que Bolsonaro iria demitir um subordinado se estivesse com o rapo preso. Convenhamos meu caro jornalista, seria uma tremenda burrice.

  • Coitado d quem não quer ver estamos em um navio sem capitão e sem remo . E um bando de ratinhos novos (Bolsonaros filhos ) querendo mandar mais que o pai e o pai coitado gagá.

  • Tem muito idiota que ainda acredita nesses cretinos. Raposas estão aí pra retirar direitos dos trabalhadores e formarem suas fortunas.
    TOMA TROUXAS.

  • Dizem que Bebianno cometeu alguns “deslizes” inaceitáveis pelos Bolsonaros:

    # primeiro foi querer interferir no Hospital Federal de Bonsucesso (RJ),
    dominado pelos milicianos, que faziam a distribuição de fichas de
    atendimentos e mandavam e desmandavam no hospital;

    # o segundo “deslizes” teria sido o fato de que Bebiano, por ser muito amigo
    do ministro Fux, foi encarregado de convencê-lo a “estancar” definitivamente
    o caso Queiroz no STF. Como se sabe o Fux apenas adiou a decisão por
    alguns dias e jogou a bola para o relator, Marco Aurélio..

    # o terceiro “deslize” também envolveria o STF, e diz respeito ao processo
    contra o Jair Bolsonaro movido pela deputada Maria do Rosário . Bebbianno
    teria sido encarregado de convencer o ministro Fux a “matar” o processo
    no peito e declarar a improcedência ou extinção. Bebianno não conseguiu
    o resultado desejado por Bolsonaro, e, o agora presiodente, continua sendo
    réu no processo, e irá responder por seus atos quando findar o seu mandato

    # e para completar, o vazamento de diálogos entre o presidente Bolsonaro e
    Bebianno para o site o Antagonista e a revista Veja;

    O Fato é que o Bebiano usou o Instagram na madrugada e desabafou:

    “Uma pessoa leal sempre será leal. Já o desleal, coitado, viverá sempre esperando o mundo desabar na sua cabeça”,

    “Só quem entende o real significado dessa palavra tão forte compreende a importância de praticá-la no seu dia a dia. A lealdade constrói pontes indestrutíveis nas relações humanas”,

    “Saímos de qualquer lugar com a cabeça erguida ao carregar no coração a lealdade”,

    Resta saber se Bebianno vai querer levar nas costas a culpa dos “pecados” do PSL, ou
    vai se preocupar em limpar o nome do profissional de Direito que sempre foi.

  • Nem se ele quisesse poderia ir pra Itaipu. A lei das estatais veda quem ocupou cargo de ministro e de dirigente partidário nos últimos 36 meses. Ohhhh governinho federal despreparado, nem conhece as leis.

Deixe uma resposta:

Seu endereço de e-mail não será mostrado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Sliding Sidebar

Sobre Tião Lucena

Sobre Tião Lucena

Tião Lucena, nascido e criado no Sertão, é jornalista desde 1975, tendo começado em A União como repórter e trabalhado em O Norte, no Correio da Paraíba, no Jornal O Momento e no jornal de Agá.

Social Profiles

teste