O Gilberto que conheço

Hoje eu escutei no rádio um radialista se ufanando com a condenação imposta a Gilberto Carneiro.

E eu fiquei a matutar: Logo ele?

Não faz muito tempo, a polícia invadiu uma loja desse mesmo radialista e o flagrou vendendo produtos considerados falsificados.

Ou seja, os jacarés pregados nas etiquetas das roupas eram, na verdade, calangos importados dos tabuleiros do sertão.

Foi aí que me enchi de interrogações.

Por que com Gilberto o cancão pia e com outras pessoas o cancão cala?

Não quero santificar Gilberto Carneiro.

Mas não acho que seus acusadores tenham moral para atirar a primeira pedra.

E o Gilberto que conheço não é esse pintado pela descarada campanha que movem contra ele.

O Gilberto que conheço é o pai de família devotado, o bom marido, o excelente amigo e o jurista brilhante.

É o Gilberto que, durante os anos de convivência que tive com ele, jamais viveu de ostentações ou adotou comportamento considerado censurável.

A esse Gilberto eu tributo respeito.

3 Comentário On O Gilberto que conheço

Deixe uma resposta:

Seu endereço de e-mail não será mostrado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Sliding Sidebar

Sobre Tião Lucena

Sobre Tião Lucena

Tião Lucena, nascido e criado no Sertão, é jornalista desde 1975, tendo começado em A União como repórter e trabalhado em O Norte, no Correio da Paraíba, no Jornal O Momento e no jornal de Agá.

Social Profiles

teste