Querem dar diploma de Cidadão Paraibano ao general Mourão que nunca, sequer, pisou na Paraíba

O general Mourão, que querem transformar em Cidadão Paraibano, nunca botou os pés no Nordeste. Na sua longa vida militar começada em 1972, sempre atuou no Sul e no Norte, jamais por aqui. Sequer visitou um quartel em Cruz das Armas ou no Planalto de Santa Rita.

Dizem que a Cidadania se dá a quem, de um jeito ou de outro, fez alguma coisa pela terra que o homenageia.

Quando não é por isso, é por bajulação mesmo.

Veja a vida pregressa e atual do general e diga se ele merece o diploma de Cidadão da Paraíba:

De ascendência indígena,[5] Hamilton Mourão é filho do general de divisão Antonio Hamilton Mourão e de Wanda Coronel Martins Mourão (ambos amazonenses). Foi casado com Ana Elisabeth Rossell Mourão desde 1976, com quem teve dois filhos: Antônio e Renata. Viúvo em 2016, casou-se dois anos depois com Paula Mourão.

Carreira militar

Ingressou no Exército em fevereiro de 1972, na Academia Militar das Agulhas Negras (AMAN) onde, em 12 de dezembro de 1975, foi declarado aspirante-a-oficial da Arma de Artilharia.[1]

Em seguida obteve cursos de formação, de aperfeiçoamento, de altos estudos militares da Escola de Comando e Estado-Maior do Exército e do Curso de Política, Estratégia e Alta Administração do Exército, além dos cursos básico paraquedista, mestre de salto e salto livre, também possui o curso de guerra na selva.[1]

Durante sua vida militar, foi instrutor da Academia Militar das Agulhas Negras, cumpriu Missão de Paz em Angola – UNAVEM III – e foi adido militar na Embaixada do Brasil na Venezuela. Comandou o 27° Grupo de Artilharia de Campanha em Ijuí (Rio Grande do Sul), a 2ª Brigada de Infantaria de Selva em São Gabriel da Cachoeira(Amazonas), e a 6ª Divisão de Exército, em Porto Alegre.[1]

Foi Vice-Chefe do Departamento de Educação e Cultura do Exército e, ao ser promovido ao último posto, Comandante Militar do Sul, entre 28 de abril de 2014 e 26 de janeiro de 2016.[6] Na sequência, chefiou a Secretaria de Economia e Finanças, de onde foi destituído em 9 de dezembro de 2017.[7][8]. Na época, a sua destituição foi associada ao teor de suas declarações durante palestras que ministrava em Clubes do Exército ao redor do país, no entanto a assessoria do Exército Brasileiro não informou o real motivo para a destituição do general.

Deixou o serviço ativo em 28 de fevereiro de 2018, após 46 anos de serviço, sendo transferido para a reserva remunerada

10 Comentário On Querem dar diploma de Cidadão Paraibano ao general Mourão que nunca, sequer, pisou na Paraíba

  • Tião Lucena, “nunca botou os pés no Nordeste”, o General Mourão esteve varias vezes em Recife e outras cidades do Nordeste. Se informe com uma fonte segura, qualquer oficial que cursa a Escola de Comando e Estado Maior é obrigatório, as visitas de estudos em todas as regiões do Pais. Talvez o que vc queira dizer é que ele não tenha servido na Região Nordeste. Esse currículo acima se refere ao General a partir do Posto de Oficial Superior.

  • Quem foi o gênio que teve essa ideia?; Peço solicitar a esse fenômeno para ele informar qual o benefício que o general Mourão fez de tão relevante para a Paraíba que mereça essa homenagem

  • Um fenómeno chamado Lampião Virgulino, o homem que não pode cruzar a fronteira da PB com RN porque senão vai do cavalo!!!

  • EM tempo: senão cai do cavalo!!!

  • Tião, era para você, que conhece e serviu o Exécito ,como eu servi, se orgulhar de saber que o General de Exército Mourão será Cidadão Paraibano. O seu problema, amigo, é que você tá cego e alucinado. Tudo que seja ligado ao governo Bolsonaro, seja o que for,bom ou ruim, pra você não presta. Você não é mais isento. Você deveria dar um tempo no Jornalismo e tentar a política. Se candidate que será eleito!!!!!

  • Isso só pode ser coisa de Bolsotários.

  • Tião Lucena respeitado jornalista e certamente operador do Direito, seu texto é recheado de rancor e vc que serviu o Exército sabe o que estou falando porque o general Mourão é um homem digno e respeitado e vc deveria falar da sua vida como civil e não como militar que não tem macula portanto amigo reflita o que vc estampou na machete da sua matéria é uma ofensa a todos nós que servimos as Forças Armadas

Deixe uma resposta to Alexandre Araujo Cancelar Resposta

Seu endereço de e-mail não será mostrado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Sliding Sidebar

Sobre Tião Lucena

Sobre Tião Lucena

Tião Lucena, nascido e criado no Sertão, é jornalista desde 1975, tendo começado em A União como repórter e trabalhado em O Norte, no Correio da Paraíba, no Jornal O Momento e no jornal de Agá.

Social Profiles