Carta ao Capitão.

Marcos Pires

 

Excelência, espero que esta missiva o encontre bem e em paz. Tal qual quase dois terços da população não fui seu eleitor. É que não voto em ninguém há muito tempo. Menos importa, porque torço pelo sucesso do seu governo, que já foi declarado legitimo pelo TSE quando o diplomou.

Se me permite, Capitão, vou contar duas pequenas fabulas que não são de minha autoria, mas servem bem ao proposito desta cartinha.

Consta que Deus avisou a Noé sobre o diluvio e a necessidade de construir a tal arca. Mas também teria dado o mesmo aviso a um poderoso rei. Enquanto Noé construiu sua arca solitariamente, o monarca nomeou uma comissão de gerenciamento da obra, que por sua vez contratou uma consultoria para assessorar os trabalhos, que por sua vez aconselhou a contratação de vários grupos de estudo, cada uma dedicada a um setor; madeiras, amarras, isolamento… desnecessário dizer que quando o diluvio chegou ainda não haviam começado a construção da segunda arca, né?

A outra fabula é mais simples ainda. Depois da ceia de natal, a neta pediu à mãe a receita do pernil, que estava delicioso. A mãe explicou que era um segredo de família, iniciado pela avó. Temperava-se o pernil em vinho e alho, acrescentavam-se tomilho e outras especiarias e deixavam o pernil dormir. No dia seguinte, antes de colocar no forno, cortavam dez centímetros de cada ponta do pernil. Esse era o segredo. Curiosa, a neta foi até a avó e perguntou por qual razão cortavam-se as pontas do pernil. A avó explicou: “- É que no meu tempo os fornos eram menores”.

Portanto, capitão, se seu governo simplificar as práticas administrativas e não der ouvidos às verdades estabelecidas pelo “çabios” de plantão, já irá bem.

Mas me permita um último conselho de quem deseja o bem do país; cuide para que o dinheiro circule, de preferência tapando os furos da corrupção, porque assim os empregos voltarão, o povo vai consumir mais, o que gerará mais impostos e por consequência aumentará a arrecadação dos cofres públicos, sem necessidade do aumento de tributos. Quanto aos salafrários de plantão no Congresso, que tentarão chantageá-lo, solte seus cachorros em cima deles, mas cuide avisar ao distinto público quem são.

Que Deus continue cuidando do senhor e de todos nós.

Feliz 2019.

1 Comentário On Carta ao Capitão.

  • Sabe-se que no Exército há uma disciplina hierárquica rigorosa.
    Daqui há um ano, alguém sabe se um general ficará contente em ser subordinado a um reles capitão?

Deixe uma resposta:

Seu endereço de e-mail não será mostrado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Sliding Sidebar

Sobre Tião Lucena

Sobre Tião Lucena

Tião Lucena, nascido e criado no Sertão, é jornalista desde 1975, tendo começado em A União como repórter e trabalhado em O Norte, no Correio da Paraíba, no Jornal O Momento e no jornal de Agá.

Social Profiles

teste