Virei preferencial

 

Decidi, vou pintar os cabelos. Manoel Raposo pinta e ninguém diz nada. Antonio Malvino pinta e todo mundo o considera um adolescente. Zé Maranhão, depois que pintou, remoçou tanto que até cerca vem pulando com a maior facilidade. Então eu tenho o direito de pintar os meus também.

O que não posso mais é aguentar o que aguentei hoje à tarde, na farmácia da esquina. Estava lá, firme e forte, na fila do caixa, quando a mocinha, solícita e risonha, gritou lá dos fundos: – Meu senhor, passe na frente, o senhor é prioritário.

E eu pensando que podia ser confundido com um garoto de 30 anos.

Lá no espírito eu tenho 25, mas, sabe como é, né, a gente sempre cede um pouco de anos para não parecer egoísta.

A moça do caixa acabou com a minha festa.

Ela não foi a única, outras sutilezas já tinham me acontecido.

Começou com aquela atrevida que, no meio de um monte de gente a caminhar pela Duque de Caxias, entregou-me, e somente a mim, um papel oferecendo empréstimo a aposentados.

-Quem ela pensa que eu sou? -, me ofendi, olhando para a garota, que já buscava outros velhos no banco de Jardel Jóias para fazer os mesmos oferecimentos.

Depois veio aquela moça que se abriu num sorriso para o bonitão aqui e, quando eu já me achava o Alan Delon dos tempos modernos, ela confessou cândida:

-O senhor lembra tanto o meu vôzinho que já morreu!”

Mas nunca tinha acontecido essa denúncia pública, esse aviso sonoro, essa lapada nos meus ouvidos:

-Passe na frente, senhor, o senhor é prioritário!”

E olhem que na fila havia uns cabras com os cabelos mais brancos do que os meus e duas gordas matronas com cara de prazo de validade findo.

O jeito, pois, é recorrer a Manoel Raposo, a Antonio Malvino, a Zé Maranhão, a Zé Lacerda, a Assis Camelo e a outros companheiros de jornadas que conseguem passar pelo tempo sem que o tempo passe por eles.

Me arranjem uma tinta pelo amor de Deus.

Do jeito que estou, aceito qualquer uma, até tic-tac ou tablete Santo Antonio.

3 Comentário On Virei preferencial

  • -Se pintar perde a vaga na fila!

  • Virou um um patrono, Tião!
    No oferecimento de: “Tintas Garnnier”… A da Ivette Sangalo

  • Kkkkk!Tiao tõ com 52 e já fui vitima dessas gentilezas que nos causa aquele sorriso amarelo e o pior que tem gente que ja tá pra lá de Bagda e nos trata como mais velhos do que eles.Quando vem de um jovem a gente engole e temos que aceitar,tem gente que a terceira idade chegou e nao se toca!

Deixe uma resposta:

Seu endereço de e-mail não será mostrado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Sliding Sidebar

Sobre Tião Lucena

Sobre Tião Lucena

Tião Lucena, nascido e criado no Sertão, é jornalista desde 1975, tendo começado em A União como repórter e trabalhado em O Norte, no Correio da Paraíba, no Jornal O Momento e no jornal de Agá.

Social Profiles

teste